terça-feira, 30 de junho de 2015

Presente de grego

Nota no Cacau Menezes (DC)
   O pessoal do Campeche e sul da Ilha não entendeu direito a proposta do deputado João Amin, de dar o nome de Luiz Henrique da Silveira ao elevado que está sendo construindo no "trevo do Rio Tavares". 
   
   João Amin estaria, por falta de idéias próprias, embarcando no modismo peemedebista de colocar o nome do falecido senador em obras "por toda a Santa Catarina"? 
    
   Ou estaria prestando uma "justíssima" homenagem ao falecido senador pelas grandes obras realizadas em Florianópolis como o "metrô de superfície", a restauração da ponte Hercílio Luz, a Arena Multiuso, de Canasvieira, a mudança de nome do Palácio da Agronômica para a pedante Casa D'Agronômica e trazer para a cidade o hospital da rede Sara Kubitschek.

   Finalmente podemos citar o grandioso show do tenor italiano Adrea Bocelli que nunca aconteceu e custou milhões de reais à população, em um golpe aplicado por LHS e seu acólito, Dário Berger, à época, prefeito de Florianópolis.

   A população do sul da ilha, não está afim deste presente de grego, senhor deputado. Sugira o nome do governador mais denunciado por corrupção em SC, para alguma obra nos bairros de Itaguaçu e Bom Abrigo, quem sabe!

Besteira de Dilma vira meme na web

Homenagem da mulher sapiens à mandioca
inspira a primeira música em dilmês


segunda-feira, 29 de junho de 2015

Urussanga: Prefeito invade reunião e agride arquiteto da FCC


   Prezado Canga,

   UFC no CIC?

   Inconformado com o posicionamento da Fundação Catarinense de Cultura frente à proposta de intervenção na Praça Anita Garibaldi — proposta essa que ninguém conhecia e que está gerando o maior bafafá na cidade —, o prefeito Johnny Felippe, de Urussanga, entrou descontrolado em uma reunião sobre o assunto, agrediu verbal e fisicamente um arquiteto da FCC, dando-lhe dois empurrões, e disse aos berros para não mais colocar os pés na cidade. 
   O município, por incompetência do Prefeito que não submeteu o projeto à análise da FCC, corre o risco de perder recursos federais. Testemunharam o fato lamentável, o secretário municipal de desenvolvimento, um arquiteto e um estagiário da prefeitura de Urussanga e mais três técnicos da FCC. Poucas horas depois foi feito B.O. contra o prefeito na 5a DP da Capital, na Trindade.

Deu no Moacir Pereira
Urussanga: moradores protestam contra Prefeitura em defesa de Praça histórica
Moradores de Urussanga realizaram um pacifico protesto contra iniciativa da Prefeitura Municipal, que está tirando árvores da belíssima Praça Anita Garibaldi para ali executar construções. O entorno foi tombado pela Fundação Catarinense de Cultura. O Ministério Público recebeu denúncia e está investigando o crime ambiental.

Exercícios para sobreviver


Nas reflexões de Jorge Semprún sobre a tortura, que acabam de ser publicadas na França, não há autocompaixão nem arrogância, mas um pensamento que ultrapassa a superficialidade e chega ao fundo da condição humana
   
Por Mario Vargas Llosa
      Quando, aos vinte anos, Jorge Semprún decidiu juntar-se a um dos grupos da Resistência francesa contra o nazismo, o chefe da Jean-Marie Action, a rede da qual faria parte, o advertiu: “Antes de aceitar, você deve saber onde está se metendo”. E o apresentou aTancredo, um sobrevivente das torturas às quais a Gestapo submetia os combatentes do maquis que capturava. Semprún sofreria na pele as atrocidades descritas por ele, dois anos mais tarde, quando, a partir da delação de um infiltrado, os nazistas o emboscaram na chácara de Joigny onde se escondia.

   O pesadelo transformou-se em realidade: a imersão nas águas geladas de uma banheira cheia de lixo e excremento; a privação do sono; as unhas arrancadas; o crepitar de todos os ossos do esqueleto ao ser pendurado no teto com os calcanhares amarrados às suas mãos; as descargas elétricas e as surras selvagens em que o desmaio chegava como uma libertação.

   Nunca antes de escrever esse livro, que foi publicado postumamente na França (Exercices de Survie), Jorge Semprún havia falado em primeira pessoa da tortura, do horror extremo a que pode ser submetido um ser humano, de quem os carrascos não só querem tirar informação, mas também humilhar, torná-lo indigno e traidor de seus irmãos de luta. Mas, embora nunca falasse dela em nome próprio, aquela experiência o acompanhou como uma sombra e supurou em sua memória todos os anos de sua juventude e maturidade, na Resistência, no campo nazista de Buchenwald e em suas constantes visitas clandestinas à Espanha como enviado do Partido Comunista, para construir laços entre os dirigentes no exílio e os militantes no interior. Nesse livro inconcluso, somente esboçado, e no entanto lúcido e comovedor, Semprún revela que a tortura – a lembrança das que sofreu e a perspectiva de voltar a suportá-las – foi a mais íntima companheira que teve entre os vinte e os quarenta anos de idade. Descreve-a como o apogeu da ignomínia exercitada pela besta humana transformada em carrasco, e como a prova decisiva para, superando o espanto e a dor, alcançar os maiores valores de decência e dignidade.

   Em suas reflexões sobre o significado da tortura não há autocompaixão nem arrogância, mas um pensamento que ultrapassa a superficialidade e chega ao fundo da condição humana. Em Buchenwald, seu chefe no grupo de resistência o parabeniza por não ter delatado ninguém durante os suplícios – “Nem sequer foi necessário mudar os esconderijos e as senhas”, diz –, e o comentário de Semprún não pode ser mais lacônico: “Fiquei feliz em ouvir isso”. Em seguida, explica que a resistência à tortura é “uma vontade inumana, sobre-humana, de superar o padecido, da busca por uma transcendência” que encontra sua razão na descoberta da fraternidade.

   Leia o artigo completo no El País. Beba na fonte.

*Jorge Semprún Maura (Madrid, 10 de dezembro de 1923 - Paris, 7 de junho de 2011) foi um escritor, intelectual, político e roteirista cinematográfico espanhol, cuja obra foi escrita majoritariamente, em francês. Durante a Segunda Guerra Mundial, com a França ocupada pela Alemanha nazista, Semprún combateu entre os partidários da resistência francesa, como o fizeram muitos outros refugiados espanhóis, na França, depois da Guerra Civil espanhola.
Ingressou em 1942 no Partido Comunista da Espanha (PCE). Em 1943, após ter sido denunciado, foi preso, torturado e, em seguida, deportado para o campo de concentração de Buchenwald, período que marcou a sua experiência mais tarde literária e política1 .

Era...(narrativa da esperança)

Por Emanuel Medeiros Vieira

(Ouvindo "Jesus, Alegria dos Homens", 
de Johann Sebastian Bach).
Para Clarice e para Lucas - e para as crianças do Brasil.
Opte por aquilo que faz o seu coração vibrar. Apesar de todas as consequências”.
                                       (Osho – 1931–1990)
Era tudo ao contrário.
Seria tudo melhor?
O Sagrado estava no mundo,
e andávamos todos sem medo.
Não, não há bichos pré-históricos,

Nem história há.
Mas não havia matanças, obuses, morteiros pernas arrebentadas, a cobiça maior, tantas guerras- – o poder é tudo.
(Eu sei: sempre houve. Mas preciso “mentir” para ser “sincero” no que escrevo.)
Reservo-me ao direito de por hoje – só por hoje – ser ingênuo.
E de repactuar-me comigo mesmo, com os outros, com o cosmos.
(Tudo anda tudo tão melancolicamente grave e desgraçado. Mas abraçamos a vida – intensamente.)

Eu sei: vivemos numa época de absoluta regressão ética.
O mundo era outro, havia risos – era tudo sonho.
“Saudosista – dizes que tudo era melhor porque já passou”, adverte-me um promotor interno.

Hoje não, por favor: nada de  narrativas estilhaçadas – quando todo mundo morre no final.
Um piquenique, campinhos de futebol, praias limpas, morros onde podíamos andar à noite,
E o melhor de tudo: não tínhamos medo.
Ou não? Não sei. Sim: tínhamos outros medos.

Termino com Carl Gustav Jung (1875–1961): O sentido torna suportável uma grande parte das coisas – talvez tudo. Ele nos conecta com a realidade, inunda as trevas com luz e nos faz atravessar o sofrimento.”

(Salvador, junho de 2015)

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Acabou a (essa) República dos Ladrões!


Exclusivo: A lista de políticos a quem Pessoa diz ter dado dinheiro obtido no Petrolão
Dinheiro ilegal doado para candidatos dentro da lei é crime? É a primeira questão levantada pela delação premiada do dono da UTC


   O engenheiro Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC, tem contratos bilionários com o governo, é apontado como o chefe do clube dos empreiteiros que se organizaram para saquear a Petrobras e cliente das palestras do ex-presidente Lula. Desde a sua prisão, em novembro passado, ele ameaça contar com riqueza de detalhes como petistas e governistas graúdos se beneficiaram do maior esquema de corrupção da história do país. Nos últimos meses, Pessoa pressionou os detentores do poder - por meio de bilhetes escritos a mão - a ajudá-lo a sair da cadeia e livrá-lo de uma condenação pesada. Ao mesmo tempo, começou a negociar com as autoridades um acordo de delação premiada. o empresário se recusava a revelar o muito que testemunhou graças ao acesso privilegiado aos gabinetes mais importantes de Brasília. O Ministério Público queria extrair dele todos os segredos da engrenagem criminosa que desviou pelo menos 6 bilhões de reais dos cofres públicos. Essa negociação arrastada e difícil acabou na semana passada, quando o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou o acordo de colaboração entre o empresário e os procuradores.

   VEJA teve acesso aos termos desse acerto. O conteúdo é demolidor. As confissões do empreiteiro deram origem a 40 anexos recheados de planilhas e documentos que registram o caminho do dinheiro sujo. Em cinco dias de depoimentos prestados em Brasília, Pessoa descreveu como financiou campanhas à margem da lei e distribuiu propinas. Ele disse que usou dinheiro do petrolão para bancar despesas de 18 figuras coroadas da República. Foi com a verba desviada da estatal que a UTC doou dinheiro para as campanhas de Lula em 2006 e de Dilma em 2014. Foi com ela também que garantiu o repasse de 3,2 milhões de reais a José Dirceu, uma ajudinha providencial para que o mensaleiro pagasse suas despesas pessoais. A UTC ascendeu ao panteão das grandes empreiteiras nacionais nos governos do PT. Ao Ministério Público, Pessoa fez questão de registrar que essa caminhada foi pavimentada com propinas. Altas somas.



Leia matéria completa na VEJA

terça-feira, 23 de junho de 2015

Justiça suspende obras de condomínio no Sambaqui

Licenças de condomínio na praia do Sambaqui, em Florianópolis, são suspensas após ação do MPF. Liminar determina que residencial interrompa captação irregular de água

   Após ação do Ministério Público Federal, a Justiça Federal determinou a imediata suspensão, por parte da Fundação do Meio Ambiente (Fatma) e do Município de Florianópolis, de alvarás e licenças para obras e serviços no Condomínio Residencial Sambaqui, na Barra do Sambaqui, em Florianópolis.

   Com a liminar, o Condomínio deve paralisar imediatamente a captação ilícita de água de uma nascente, sob pena de multa diária no valor de R$ 10.000,00.

   De acordo com a Justiça Federal, "o deferimento do pedido liminar é urgente, sob pena de serem agravados os danos ambientais já iniciados com as obras, autorizadas com licenças suspeitas, através de técnicos que estão respondendo processos criminais por crimes ambientais".

   A decisão é baseada em laudos técnicos e documentos do MPF que comprovaram a realização de obras em área de preservação - com supressão de Mata Atlântica, próxima a curso d'água - e a captação de água de nascente por meio de cisterna, "evidenciando a ilegalidade do licenciamento ambiental".

   Pedidos finais - Outros pedidos na ação do MPF, assinada pelo procurador da República Walmor Alves Moreira, ainda serão julgados.

   Os réus podem ser condenados a demolir construções em Área de Preservação Permanente (APP) situadas na Rodovia Wilson Xavier, no bairro Sambaqui.

   O Município, a Fatma e o Condomínio Sambaqui devem pagar, se condenados, indenizações pelos danos ambientais causados. O valor será revertido para obras de proteção ao meio ambiente em áreas carentes de Florianópolis.

   Caso as medidas não sejam cumpridas, o MPF pede uma multa em valor não inferior a R$ 10.000,00 por dia.

   O Município e o Condomínio também podem ser obrigados a recuperar a área degradada, a partir de plano previamente aprovado. Por último, o Município e a Fatma devem anular, em caso de condenação, alvarás e licenças para construções do Condomínio em APP.

Tiroteio, assassinato e fuga na Beira Mar

Fotos Cangablog
   O assassinato de um homem, às 8 horas desta manhã de teça-feira (23), em frente ao Supermercado Angeloni, na Beiramar Norte, mobilizou dezenas de policiais e causou um grande engarrafamento na principal avenida de Florianópolis.

   O morto, identificado como Márcio Henrique, de 26 anos, já vinha "abaixo de tempo ruim", perseguido, à pé por um pistoleiros, enquanto outro acompanhava a perseguição em um Fiat Uno, pela na vicinal da beiramar. A perseguição começou na Vila Santa Rosa, onde Márcio Henrique, morava e que foi fica ao lado da sede da PF e próxima a residência oficial do governador, conhecida como Palácio da Agronômica, 
   Segundo testemunhas, a vítima tentou atravessar a vicinal, em frente ao Supermercado Angeloni, quando foi atropelado pelo Fiat Uno. Márcio Henrique ainda conseguiu levantar e correr, mas acabou sendo executado no outro lado do canteiro, na pista da beiramar sentido bairro-centro.

   O imponderável
   O que os pistoleiros não imaginavam, e que também não estavam em seus plano, foi o inesperado surgimento de uma viatura policial, da PM, que transitava pelas imediações. Na troca de tiros com a polícia um dos pistoleiros teria sido ferido no ombro e logo em seguida os dois fugiram - em direção oposta do Fiat Uno usado na "operação" - e se embrenharam no mangue do Itacorubi.

   Até às nove da manhã, dezenas de policiais do Bope, PM e Civil, vasculhavam o mangue e circulavam pela região em carros com sirenes ligadas e em velocidade. Ainda não haviam pego os meliantes.
Foto Cangablog

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Senhores e Senhoras

Por Armando José d’Acampora *

Muito me assusta os comentários sobre o nosso Hospital Universitário , um Hospital de ponta, nas redes sociais. Estão julgando todos os médicos no mesmo patamar. E este patamar é o mais baixo de todos. Isto não é justo.
Tanto é assim que dos 275 médicos que trabalham no HU, 27, ou seja, 10 % estão listados pelas autoridades competentes. Mas, ainda assim, não são réus. Estão sendo investigados e isto não dá o direito a ninguém de considera-los culpados quando e ainda não foram devidamente julgados e condenados.
Não tenho a ilusão de que todos os médicos sejam santos, mas creio que a maioria cumpra suas funções com dedicação e esmero.
Penso que em todas as profissões há aqueles que não são o trigo, são o joio. O problema que se apresenta, é separar o joio do trigo.
Se há alguns que não cumprem o que foi determinado por contrato, que sejam devidamente punidos. Mas e os que cumprem? Por que tem que carregar consigo a pecha de transgressores da Lei e da Ordem instituídas quando assinaram o contrato?
Quando era garoto, meu pai me dizia que Médico, Padre e Polícia, basta um para estragar toda a comunidade.
Ninguém acusa um Médico, acusa a medicina, a máfia de branco, e todos entram no mesmo saco. Não é diferente com os Padres, pois quando um comete um deslize, foi a Igreja quem cometeu. A mesma coisa com o policial, não foi o Miguel Cervantes, foi a Polícia quem praticou a atrocidade. Não importa a vida toda cheia de feitos heroicos, basta um deslize para que o sujeito seja considerado marginal. Os chineses já diziam algo parecido.
Será que as pessoas já pararam para pensar que o Médico é o único profissional que acompanha uma pessoa do antes de nascer até a morte?
Quem fará o pré natal de uma gestação e quem assinará o atestado de óbito de uma pessoa? Só pode ser o Médico. Quando temos uma dor, a quem procuramos? O Médico. Não importa se é madrugada, se está frio ou quente o tempo, pois sempre achamos um Pronto Socorro que nos atenda, isto se não tivermos um médico particular no qual confiamos e que nos oriente, disponível dia e noite.
Desconheço médico que trabalhe menos de 14 horas por dia.
Como ficará o transplante hepático se os médicos responsáveis por ele, não tiverem um regime especial de trabalho, haja vista que aqueles que são considerados doadores, não tem hora e muito menos lugar para que isso aconteça?
E o que acontecerá com as apendicites, colecistites, úlceras perfuradas ou sangrantes, perfurações de intestino, traumas de maneira geral, se não houver um profissional treinado por, pelo menos cinco anos, para atender estas urgências?
E alguém conhece o ciclo Circadiano e como isso funciona?
Pois é, na doença, isso é o que funciona. Há doenças que só se manifestam a noite, e outras que não tem preferência de horário.
Portanto, senhoras e senhores, jamais deixaremos de depender de alguém que conheça as doenças, os doentes e suas mazelas.
Por mais que queiramos ser independentes de tudo e de todos, sempre precisaremos de um médico por perto. Queiramos ou não, temos que aceitar isto.

 * Médico, Cirurgião, Professor Universitário.

domingo, 21 de junho de 2015

A Lava-Jato no topo do andar de cima

Do jornalista Elio Gaspari, em O Globo

A Odebrecht e a Andrade Gutierrez não são acusadas só pelo “amigo Paulinho” mas também por três dirigentes de empreiteiras, que descreveram o funcionamento do cartel de roedores da Petrobras. Rastreamentos internacionais de depósitos bancários, anotações e mensagens eletrônicas documentaram a ordem de prisão expedida pelo juiz Moro.

   Em outubro passado, quando o “amigo Paulinho” (expressão carinhosa atribuída a Lula) jogou a Odebrecht na frigideira da Lava-Jato, o presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, soltou uma nota oficial dizendo o seguinte:

   “Neste cenário nada democrático, fala-se o que se quer, sem as devidas comprovações, e alguns veículos da mídia acabam por apoiar o vazamento de informação protegida por lei, tratando como verdadeira a eventual denuncia vazia de um criminoso confesso que é ‘premiado’ por denunciar a maior quantidade possível de empresas e pessoas”.
   Passados oito meses, o doutor, bem como Otávio Azevedo, presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, estão na carceragem de Curitiba. Ao expedir a ordem de prisão contra eles, o juiz Sérgio Moro deu uma demonstração parcial da quantidade de provas acumuladas pela Polícia Federal e pelo Ministério Publico.
   Leia o artigo completo. Beba na fonte.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Senadores cercados

   Descoberto o o principal motivo do cerco e agressão a comitiva de senadores em Caracas.
Integrava o grupo, o senador pelo Acre, Sergio "Petecão"!

   Diosdado Cabello, presidente da Câmara dos Deputados da Venezuela, segundo homem mais forte do país, investigado pelo FBI por tráfico internacional de Cocaína, teria considerado a visita de Petecão como ingerência nos seus assuntos internos, invasão de território e concorrência desleal!

Teria dito:   - Acá el Petecón soy yo!

quinta-feira, 18 de junho de 2015

A sucessão na Capital


   Por Leal Roubão   

   A movimentação de bastidores indica claramente a pretensão de Dário Berger ao governo estadual em 2018. Ele terá dois candidatos ao Paço Municipal em 2016. Corre pelo PMDB, o deputado Loureiro. Corre pelo PSD, o prefeito Souza (à reeleição). O mais votado recebe o apoio do outro no segundo turno. Na outra banda, temos a senhora Amin pelo PP, o senhor Bornhausen pelo PSB e o PSDB.
   Devem caminhar juntos PP - PSB - PSDB.

Kit revolução cubana!

Camilo e Fidel...
   Já vai longe o tempo em que La Revolución era o farol a guiar nossos anseios de criar uma sociedade justa, igualitária e honesta. 

   A derrubada do ditador cubano, Fulgêncio Batista, pelos "românticos" jovens barbudos de Sierra Maestra (Fidel, Chê, Camilo Cienfuegos...) foi um dos acontecimentos mais fantásticos que grande parte da minha geração curtiu. E vejam que fomos uma geração privilegiada, tivemos Beatles, queda do muro de Berlim, surgimento da internet, homem na lua e muitas outras grandes transformações sociais e tecnológicas que mil anos não viram.

   Ainda bem jovem, tive a minha formação política dentro de casa. Meu pai, Getulista de origem e, mais tarde, Brizolista rachado, me levava à comícios e reuniões do antigo PTB onde conheci personagens interessantes, falantes, com atitudes, políticos matreiros e jovens açodados, já conhecedores de ideologias.

   O complemento veio com a convivência de amigos uruguaios que logo entraram de corpo e alma na luta contra a ditadura militar e acabaram militando no Movimento de Libertação Nacional Tupamaros (MLN-T). O estudo do marxismo veio como uma coisa natural. Com toda a literatura de esquerda proibida no Uruguay, comecei a contrabandear livros de Artigas para Quaraí, para preservá-los. Acredito que passei, pelo rio Quaraí, uma coleção inteira de livros de filosofia da editora Pueblos Unidos, impressos em Buenos Aires, que ía do Capital, ao 18 Brumário, de Luis Bonaparte, além dos grandes filósofos anarquistas, com quem logo me identifiquei.

   Derrubar os "gorilas" no Brasil seria, para nós, como varrer Fulgêncio e sua quadrilha de porcos chauvinistas, de Cuba! Militei muitos anos no Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina. O meu negócio eram as fronteiras. Sempre às voltas com militantes clandestinos, fugas, esconde-esconde, contatos, pontos e tudo o mais que era necessário para burlar as ditaduras fascistas que tomaram conta do "Cone Sul". 
   Faríamos La Revolucion!
 
De volta para o futuro...
 Bem...não fizemos. 

   A idéia, com o tempo, se mostrou falha. A revolução cubana não libertou ninguém de ninguém. A revolução que seria para libertar, virou prisão. Prisão física e espiritual, intelectual. Pensamento único sustentado por forte repressão.Não interessam as justificativas. Explicação se dá para o leiteiro...amanhã de manhã!

   Os "fulgêncios" de hoje, mantém um povo pobre, miserável, aprisionado dentro de uma ilha que prometia ser o paraíso terrestre do proletariado. A tão idolatrada classe social, o proletariado, hoje nem existe mais em Cuba. Infelizmente sobrou o substrato da categoria: o lúmpen proletariado. 

   Isso é triste! É difícil aceitar derrotas, reconhecer que estávamos errados e mudar. É uma transição dolorida, mas preserva uma coisa que nós, desquerda, sempre buscamos e idolatramos como a base da nossa ideologia: a honestidade!

   Escrevi tudo misso, para dizer que, ontem, na comemoração do meu aniversário, ganhei do meu filho, Jerônimo Rubim, recém chegado de "Sierra Maestra", um Kit Revolução Cubana! 

   Uma garrafa de Ron, "Santiago de Cuba", charutos Cohiba, um exemplar do Granma, jornal oficial do Partido Comunista, e o boné com a estrela vermelha e a bandeira cubana! 

   Senti saudades da luta! (passou logo)


quarta-feira, 17 de junho de 2015

Dias de aniversário

   Sempre gostei de fazer aniversário! Gostei tanto, que começava a comemorar no inicio de junho, passava pelo 17, com louvor, e continuava até o fim do mês. Às vezes entrava julho adentro, até uma parte. Era festa que deus mandava!

   Com o tempo, o tempo encurtou. 

   Mas sempre muita festa, nunca menos de 15 dias.
Eu não sei o que movia tudo isso. Acho que a minha alegria em ficar mais velho, pode?!, a os amigos dispostos a me acompanhar.

   Mas a coisa vai passando, os amigos perdendo a disposição e, até eu mesmo ficando um pouco mais velho, e a festa foi rareando...pero no mucho!

   Esta, agora, dos 62, foi meio capiada. A cabeça se envolveu com outras coisas, que quando me dei conta já estava às vésperas do natalício. Andei ficando meio "na minha", experimentando dias sem prazer, mas não de desprazer. Isso não permito!

   Acordei às 6:30, e resolvi ficar em casa. Bundiando! Tomei café, peguei o Leon, e saímos para uma longa caminhada pelo Campeche. Manhãzinha fria, com sol e um ventinho leve de frente. Caminhamos, corremos e cruzamos por um monte de gente, também troteando pela estrada. Algumas vezes me cumprimentavam:

- bom dia, senhor!

   E eu ficava pensando se o senhor era por temor ao cachorro, o Leon, ou por respeito a alguns cabelos brancos que já começam a despontar na minha cabeça. Em alguns momentos tive um prazerzinho secreto e ri por dentro pensando:

- E eles nem imaginam que estou de aniversário. Comemorando meio que "cumigomesmo"!

   Voltei para casa e resolvi socializar o passeio canino. Coloquei a Flora Tristã na guia e saímos, lépidos, os dois, passeávamos o meu aniversário. A Flora me deu uma canseira. Pouco adestrada, dispersa, não respeita muito o guia, mesmo que eu tenha bem mais idade que ela.

   Por último, peguei o Bakunin. O Bako já está bem adiantado no tempo, com 11 anos. Sofreu, recentemente, uma cirurgia para remoção de dois tumores e já demostra o peso do tempo no lombo. Mesmo assim está bonito, grande e altivo! 

   Andamos os dois, lado a lado, como velhos amigos que somos. Nem comentei sobre o meu aniversário, preferi não falar sobre tempo de vida, já que recebi, ontem, o resultado da biópsia dele, e não foi bom.

   Finda a temporada de passeios, retornei, tomei um banho e sentei para atualizar o cangablog e saber das novidades no mundo. Abri o Facebook e começaram as mensagens de parabéns!

   Eu acho o FB uma ferramenta fantástica. Eu sei que muita gente, ali, foi avisada pelo face que hoje era o meu aniversário. E daí? Ninguém é obrigado a decorar datas. Lembrar também é coisa para bem íntimos, tipo mãe, filhos, irmãos e mulher. Mas ser lembrado pelo FB e se dispor a escrever uma mensagem de alegria e carinho é o que conta. Aí está o valor do lance!

Achei isso tão legal, eu cumigomesmo, que resolvi responder individualmente cada mensagem de amigo. Já estou na 2.342, cansado e feliz!

Obrigado, estou festejando o meu aniversário!


Rodeio

   Por Marcos Bayer

Rodeio porque roda, tudo roda sem parar. Roda o vento, roda o tempo, roda a vida sem cessar. Tudo roda desde o começo até o final, sem mudar. Ciclo eterno, ciclo vivo, ciclo e agora reciclar.

   Houve um momento, não importa quando, que nossos antepassados sentiram necessidade de conversar. A comunicação gestual e gutural deu lugar ao falar.   Inventamos a língua e a linguagem, a escrita inclusive, em algum lugar do crescente fértil, milênios antes da Grécia pré-cristã.
   

   Antecede a este momento, a linguagem escrita, a invenção dos deuses. Precisávamos deles para agradecer ou blasfemar. Ou a boa colheita ou a má sorte em qualquer sentido. Aos deuses chamamos depois, já na Grécia, de Theos.
   Theos é vida, essencialmente vida. Entusiasmo, o sentimento que nos movimenta, que nos dá a capacidade de criação, de vivacidade, de procura e força, tem um significado simples: En + Theos + Mos = com deus dentro. Entusiasmado é aquele que possui Deus dentro de si.
   Como Deus era vento, sol, seca, maré ou qualquer outra manifestação da Natureza, Deus era a força interna também.
   Na evolução pós Grécia, marco da civilização ocidental, todos os conceitos basilares refletiam Deus e sua ausência. Eros e Tanatos ou vida e morte.
   A morte é a ausência de Deus, de entusiasmo.
   Quando se escreveu phalo e dele derivou fascínio, mais uma vez, deu-se ao masculino a capacidade de procriar, reproduzir a espécie, formar a humanidade. Obviamente com a participação da mulher que em alguns momentos foi matriarca.
   É possível que em algum momento não tenha havido a necessidade da separação formal entre masculino e feminino, como em algumas línguas modernas assim se confirma.
   O que importa, e é tudo, é que o entusiasmo define os caminhos do homem.
   Nele, no entusiasmo, consubstancia-se Deus: a força geradora, criadora, inventora.
   A força que formula as sementes daquilo que serão as frutas, os peixes, aves, animais, flores e tudo que compõem a Natureza.
   O mesmo entusiasmo que dá ao homem a capacidade de inventar a roda, a caravela, a máquina a vapor, a luz elétrica, o rádio, o avião ou o computador.
   En + Theos + Mos. O Deus dentro de mim.
   O amor pode ser o encontro de dois entusiasmos que assim permanecem pelo tempo que lhes é permitido permanecer.
   A política é entusiasmo coletivo pela organização da comunidade. O esporte, no caso brasileiro, o futebol é o entusiasmo das diversas bandeiras.
   A vida, em cada minuto, até o último sopro é a manifestação do entusiasmo de cada um de nós.
   
   Por isto, Rodeio. Porque tudo roda sem parar...

terça-feira, 16 de junho de 2015

O ministro e a candidatura do Gean


   O país às portas da maior crise financeira pós-Plano Real, o governo federal cortando investimentos, arrochando direitos dos trabalhadores, aumentando impostos e anunciando medidas de contenção de despesas. Enquanto isso, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB), ex-deputado federal, candidato derrotado na eleição para governador do Rio Grande do Norte, pega um avião oficial, com o nosso dinheiro, e vem cumprir “agenda” em Florianópolis.   Na verdade, ao fim e ao cabo, o único propósito da “visita” do ministro à Ilha foi participar do lançamento da candidatura de Gean Loureiro (PMDB), a prefeito da capital em 2016, um evento político-partidário - para o qual, aliás, chegou a ser anunciada nas colunas locais a presença do vice-presidente da República, que, naturalmente, não tomou conhecimento do evento.   

   Começa mal a campanha de Gean Loureiro, já com o uso e abuso dos bens e serviços públicos, coisa proibida por lei.

   Na bagagem, nenhum anúncio de liberação de verbas, nenhum lançamento de projeto, nenhum apoio ao incremento da atividade que é uma das principais fontes de renda do Estado e da sua Capital. Apenas o discurso vazio de quem está no comando da importante pasta por conveniência política – sua nomeação foi exigência do presidente da Câmara, Eduardo Cunha -, sem qualquer familiaridade com o setor turístico.

   Na falsa agenda do ministro uma visita ao Centro de Eventos de Canasvieiras, obra que se arrasta há mais de 5 anos, e que não tem um centavo de verba federal. Tudo perfumaria.

   Da boca do ministro, a imprensa resaltou apenas o seu embasbacamento com a frase: 

- Onde estão as marinas desta Ilha???!!!!

   A pergunta teria sido feita sob encomenda dos companheiros de viagem, Vinícius Lumertz (PMDB), presidente da Embratur e Eduardo Pinho Moreira (PMDB), vice governador, justamente quando o helicóptero sobrevoava a manjada Ponta do Coral, na Beira Mar Norte.
 
   Nossa imprensa, sempre engajada e amestrada, não contextualiza, não questiona, apenas festeja. 

   Uma lástima.

Comentário:
O ministro não disse uma palavra sobre tratamento de esgotos, sobre infra estrutura aeroportuária, sobre verbas para melhorias nas praias...
Quase pediu apoio ao Hotel da Ponta do Coral.
Ah, esse ministro vai indicar o presidente da EMBRATUR para vice-prefeito na chapa do Gean Bico Rouco?

att, Félix Ribas


Fantasia
Esse é mais um ementário da falsa ideia que temos representantes nos ministérios com competência técnica e capacidade política. O nosso "bonitinho da Ilha da Magia" - Vinicius Lummertz se apegou tanto ao poder que parece uma craca de pedra, as baratas da praia andam rondando uma candidatura do "pato rouco" - aquele que liberou geral a construção quando presidente da Nossa Sra de FATMA.
Uma sofrível disposição para se locupletar na carreira de "político profissional". Esse tem sido o enredo na Ilha da Fantasia e na Terra Brasilis.

Fernando Ormuz

Nojo
E assim vamos, de enganação em enganação à uma campanha; uma eleição, e depois de eleito a máscara cai e o "povinho" é quem paga a continha novamente, como na reeleição da "PRESIDENTA".
Que nojo!
Claro Muniz

segunda-feira, 15 de junho de 2015

AMAZÔNIA


   O Território Indígena Mãe Maria, no município de Bom Jesus do Tocantins, é um respiro de verde no Pará, estado que lidera o ranking de desmatamento da Amazônia Legal, conforme os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Nele vivem três povos indígenas – Gavião Akrãtikatêjê, Gavião Kykatejê e Gavião Parkatêjê – que somam pouco mais de 700 habitantes (Siasi/Sesai 2013). Eles se dividem atualmente em nove aldeias, em uma área de 62 mil hectares de floresta preservada na região sudeste do estado, pressionada há mais de 30 anos pela mineração e por obras de infraestrutura.

   Os Parkatêjê são os mais numerosos entre os povos de Mãe Maria, embora tenham perdido mais de 70% da população após o traumático contato com não indígenas, ocorrido durante a década de 1950. O território que habitam foi alvo dos projetos de integração do governo militar. Hoje é cortado pela rodovia BR-222, pela linha de transmissão de energia de Tucuruí, da Eletronorte, e pela estrada de ferro Carajás, alvo da batalha mais recente travada pelos Gavião – incluindo os Parkatêjê – com a mineradora Vale S.A.

   A ferrovia foi construída no início dos anos 1980, durante o governo de João Figueiredo, último presidente da ditadura militar, e começou a operar em 1986, na transição democrática do país. Pertencia à então estatal Companhia Vale do Rio Doce, privatizada em 1997. O trilho de 892 quilômetros liga as minas da Floresta Nacional de Carajás (PA) ao terminal marítimo de Ponta da Madeira, no Maranhão, cortando terras indígenas, quilombos e 22 unidades de conservação.


Leia reportagem completa na Pública. Beba na fonte.

DRUMMONDIANA (Deserto)

   Por Emanuel Medeiros Vieira
(...) “Caminho todas as tardes por estes quarteirões desertos, é certo/Mas nunca tenho certeza se estou percorrendo o quarteirão deserto/Ou algum deserto em mim”
(Manoel de Barros, “Miudezas”)

Chacinas, propinas, rimas (ruins, é certo).
Não é uma solução – não é Drummond?
Havia sim uma pedra no meio do caminho.
Outra e mais outra.
Um anjo torto pousou em mim, na minha ilha, no meu país?
E recebi a bênção de um milagre cotidiano: uma criança, o coqueiro, o mar.
(Este “instante eterno” legitima a jornada.)
Uma enfermidade – a consciência da “brevidade infinita” desta vida.
“Compreender que a gramática é um instrumento, e não uma lei”.
(Fernando Pessoa, “Livro do Desassossego”)
Clamo por Deus – estou Buscando-O em todo caminho – sempre.
E Ele Desaparece/Reaparece.
E um anjo bom sorri.

(Salvador, junho de 2015)

domingo, 14 de junho de 2015

Acabando com a "zona"

Retirados outdoors de casas prostituição na Capital

Foto Guga Kuerten (DC)
   O Promotor de Justiça Thiago Carriço de Oliveira acompanhou, na tarde desta sexta-feira (12/06), a retirada dos outdoors de duas casas noturnas voltadas à prática de prostituição em Florianópolis. As publicidades, que estavam expostas na SC-401, foi considerada abusiva pelo art. 37, § 2º, do Código de Defesa do Consumidor, pois viola valores éticos, morais e sociais, dentre eles a dignidade da pessoa humana e a valorização da família. Além disso, feria o art. 10, inciso IX, da Lei Complementar Municipal 422/2012, que proíbe expor anúncio considerado atentatório, em linguagem ou alegoria, à moral e aos bons costumes.

   Em março deste ano, o Promotor de Justiça havia expedido uma recomendação à Secretaria Executiva de Serviços Públicos (Sesp), órgão ligado à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SMDU) de Florianópolis, para o cumprimento da leigislação. O prazo venceu nesta sexta-feira. Após nova requisição do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), as empresas de publicidade comparecem ao local e retiraram as peças publicitárias, acompanhadas de fiscais da Sesp e do Promotor de Justiça Thiago Carriço de Oliveira. Na próxima segunda-feira, iniciam-se novas diligências em outros pontos da cidade, até que todas as publicidades de casas de prostituição sejam retiradas.

   O Promotor de Justiça irá encaminhar outra recomendação ao Município de Florianópolis. Ao presidente da Câmara de Vereadores e ao Prefeito de Florianópolis, o Promotor de Justiça solicita a criação de um projeto de lei que reconheça como atentatória à moral qualquer publicidade relativas a casas de prostitiuição, para deixar mais clara a questão.

   Essa nova recomendação ao Prefeito e ao presidente da Câmara de Vereadores tem como base dois inquéritos civis existentes no Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) instaurados após denúncias. O assunto é polêmico e foi amplamente discutida pelo Conselho Superior do Ministério Público (CSMP). O Conselho, formado por Procuradores de Justiça, decidiu que é abusiva a veiculação de qualquer publicidade de casas noturnas voltas à prostituição, por tratarem as mulheres como objeto de consumo, e por atingir público amplo indiscriminadamente, inclusive crianças e adolescentes.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Restauração da antiga Casa de Cadeia

   Passando na manhã de hoje pela Praça XV de Novembro chamou a atenção o frenesi dentro do prédio – quase ruína – da antiga Casa de Câmara e Cadeia. Eram dezenas de operários da empresa que está fazendo a restauração do casarão rosado, uma das jóias arquitetônicas da antiga Desterro.
   
    Mas chamou mais a atenção ainda a placa da empresa com o custo da obra: cerca de R$ 6 milhões. Isso porque em 2011, o Cangablog divulgou o projeto da então presidente do IPUF, que pretendia restaurar o prédio por R$ 21 milhões!

   O detalhe é que, além da restauração atual estar orçada em R$ 6 milhões, com recursos do governo federal, o SESC venceu a licitação para instalar o futuro Museu da Cidade por R$ 9 milhões. Ou seja, em 2015, quatro anos depois, a obra restaurada e o museu concluído vai custar R$ 15 milhões. 

   Agora as obras estão orçadas em R$ 5.973.663,81, e serão viabilizadas com recursos próprios da Prefeitura e do Ministério da Cultura, através do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). 

Matéria publicada no cangablog em julho de 2010
   
   A arquiteta e a casa de Cadeia de Florianópolis
   
   Que eu saiba quem trabalha com picareta é trabalhador braçal, ajudante de pedreiro e outros trabalhadores menos preparados intelectualmente. Mas Florianópolis tem coisas que até a própria razão desconhece. Aqui até arquiteto põe a mão na ferramenta e a usa como intrumento de espertice.
  
    É o caso da arquiteta diretora de Planejamento do Ipuf, Cristina Piazza. A profissional da equipe do não menos "braçal" Dário Berger, resolveu picaretear justamente no chão onde ganha o pão. No IPUF.
 
Leia matéria completa aqui. Beba na fonte.

Gato rodoviário?


   Não se surpreendam se esta obra em pleno curso, na avenida Beira Mar Norte, for um "gato" rodoviário para acessar a Ponta do Coral.
   
   Muito estranho este anel viário começar justo por ali...

quinta-feira, 11 de junho de 2015

MPF: nova recomendação sobre empreendimento na Ponta do Coral

   De acordo com a nova recomendação do Ministério Público Federal, todos os atos administrativos de aprovação que foram expedidos pela FATMA e pelo Município de Florianópolis em prol do novo empreendimento na Ponta do Coral, sob a responsabilidade da empresa Hantei Engenharia, em Florianópolis, são nulos e devem ser invalidados imediatamente.
 
   O documento (Recomendação nº 61 de 2015), assinado pelo Procurador da República Eduardo Barragan Serôa da Motta, foi encaminhado nesta semana ao Município de Florianópolis (Prefeitura, Smdu, Ipuf e Floram), à Fundação Estadual do Meio Ambiente (Fatma) e à Secretaria do Patrimônio da União (SPU/SC).

   As análises em curso ou futuras sobre o empreendimento devem, a partir de agora, ser condicionadas não só ao atendimento integral das recomendações já expedidas pelo MPF e pelo MP/SC, mas também às razões presentes nos diversos documentos técnicos elaborados pela Assessoria Pericial do MPF.

   Os órgãos e entidades envolvidos têm até 15 dias para informar sobre as medidas que pretendem adotar. Caso os pedidos não sejam atendidos, o MPF pode vir a adotar todas as medidas jurídicas cabíveis - cíveis e criminais - contra os responsáveis.

   A nova recomendação tem como base seis documentos técnicos, todos realizados por peritos do MPF nas áreas de Arquitetura, Engenharia Civil, Antropologia, Arqueologia, Geologia, Engenharia Sanitária e Biologia.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Tribunal de Faz de Contas: o ralo do nosso dinheiro


   Para melhor entender o Brasil e Santa Catarina, é precisa fazer algumas análises. Somos vítimas de uma cúpula que vive nababescamente enquanto a maioria da população leva ferro diariamente.

   A administração pública no Brasil vaza por todos os lados.
   
   Por exemplo:
   - O nosso Tribunal de Contas gasta R$ 200 milhões anuais na sua manutenção. Entre 2010 e 2014, ele tentou cobrar R$ 33 milhões referentes aos desvios praticados por administradores públicos. Conseguiu apenas R$ 6,9 milhões.
   
   Ou seja, em quatro anos o TCE gastou R$ 800 milhões para recuperar apenas R$ 7 milhões de reais. Assim é melhor fechar. Pouparia R$ 793 milhões dos nossos tributos.

   Afora isto, no período 2009 - 2011 (Junho) a Assembléia Legislativa gastou R$ 31 milhões em viagens e diárias e o TCE/SC, através de um dos seus sete conselheiros, "engavetou" o processo em troca da contratação de seu filho com salário de R$ 14 mil por mês na Augusta Casa.

Olho Grande

   Por William Ear Long (dos EEUU especial para o Cangablog)
   Com a vinda da professora Ideli Salvatti para a assessoria da Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos - OEA, aqui em Washington D. C. - capital dos EEUU, criou-se um certo pavor na Casa Branca (The White House).
   A segurança do presidente Barack Obama foi informada que a professora Ideli não fala inglês ou espanhol. Logo, estão muito preocupados com as possíveis "presepadas" da dita cuja nas discussões internas da OEA, e sobretudo, nos seus conselhos ao secretário geral, o uruguaio Luis Almagro.
   Quando foi informada do seu novo posto, foi dito a ela para ter olhos atentos nas questões políticas da organização. Ela interpretou, à sua maneira, e mandou a foto publicada para demonstrar que havia entendido a recomendação.

terça-feira, 9 de junho de 2015

Jornalismo investigativo de combate à corrupção

   O QUE É BRIO WATCHDOG?


   A seção Watchdog, inglês para ‘cão de guarda’, é dedicada exclusivamente a investigações que demandam tempo e grande investimento financeiro. Para isso, BRIO apresenta projetos a fundações dedicadas a temas como governança, transparência e combate à corrupção. Os conteúdos são distribuídos gratuitamente.

Clique e Beba na Fonte

CPI dos Radares: Depoimento de empresário abre novas frentes de investigação

   Na semana passada um depoimento chamou a atenção de quem acompanha os desdobramentos da CPI dos Radares - em andamento da Câmara de Florianópolis - para tentar avançar nas suspeitas que deram origem à operação Ave de Rapina, da Polícia Federal.

   Apesar do nome, a CPI não se limita a investigar apenas as relações entre agentes públicos e a empresa Kopp, responsável pelos radares da cidade e de onde saíram os R$ 100 mil apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal no veículo onde seguiam dois guardas municipais e um servidor terceirizado da prefeitura.

   Além dos radares, a CPI também busca lançar luz sobre o que aconteceu nos bastidores da política para que a chamada Lei Cidade Limpa, que propunha a regulamentação da instalação de outdoors na cidade, fosse rejeitada pelos vereadores.

   Na semana passada, o empresário Adriano Fernando Nunes, proprietário da empresa Visual Brasil, apontado pela PF como sendo o distribuidor de propinas para vereadores, foi ouvido pela CPI. Foi o único que não permitiu que os trabalhos fossem abertos à imprensa, frustrando o espírito de transparência que deveria nortear os trabalhos do legislativo.

   Agora, o que se comenta é que o teor do depoimento pode abrir novas frentes de investigação, principalmente sobre órgãos e políticos conhecidos por usar outdoors desde sempre, para celebrara até o dia do cachorro-quente.

   É o caso da FATMA. Em ‘ gravação realizada pela Polícia Federal com autorização da Justiça, Adriano Nunes aparece fazendo lobby para “pegar” uma campanha da Fundação do Meio Ambiente do Estado, que foi presidida por seu grande amigo Gean Loureiro.

   Na transcrição, que o Cangablog teve acesso com exclusividade, Adriano fala coisas como:

- “(…) como essa campanha é FATMA, é campanha que é minha…”
- “Só que..é, como era FATMA e… o Gean (Loureiro) era presidência, véio, o presidente é nosso lá e… o marketing é nosso, né?”

Ou ainda: “Então vão ver como é que nós vamos fazer isso aí. Eu não quero é ficar fora do projeto, porque assim…eu tenho direito de brecar essa campanha ou não, entendeu?”


Escutas telefônicas mostram diálogos entre vereador e empresário

segunda-feira, 8 de junho de 2015

A nudez a serviço do esporte

Apresentadoras ficam nuas para apoiar a Venezuela na Copa América



A Venezuela passa longe de qualquer mesa de apostas para a Copa América, mas ganhou um apoio e tanto. Comparando-se ao que Larissa Riquelme representou para o Paraguai na Copa do Mundo de 2010, um grupo de apresentadoras de um programa de televisão local, chamado “Desnudando a Notícia” tirou a roupa para apoiar a Vinotinto na competição no Chile.

- Nós adoramos os nossos gladiadores e como eles deixam a pele em campo. Nós tomamos a decisão de mostrar a nossa por eles – disse uma das apresentadoras, ao justificar a campanha.

Além do vídeo divulgando a campanha pela Vinotinto, elas disseram que farão um nu coletivo em público sempre que sua seleção passar de fase na Copa América. A Venezuela está no mesmo grupo do Brasil, assim como Colômbia e Peru.


Do Globo Esporte.

O deboche da Adjori

(...) Mas se o meio político e empresarial sente a profundidade da lacuna deixada pelo senador, o meio jornalí$tico se sente órfão com a perda. Como forma de gratidão ao trabalho desenvolvido por Luiz Henrique em prol dos Jornais do Interior, a Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina (Adjori Brasil) vai dar o nome ao maior prêmio de jornalismo do Estado.
   
Pena de ouro, é? Para quem? (Montagem sobre foto da Adjori) 
   Parece piada, mas não é! É a mais pura verdade!

   O dono da empresa privada Associação dos Jornais do Interior (ADJORI), Miguel Ângelo Gobbi, vem a público anunciar que está mudando o nome do Troféu Pena de Ouro, criado pela sua empresa, para Troféu Luiz Henrique da Silveira.

   Gobbi entra na onda dos peemedebista que tem instruído seus vereadores a apresentar projetos de lei dando o nome do finado senador à ruas, praças e logradouros públicos, utilizando o seu surrado lema "por toda Santa Catarina".

   O que causa estranheza nesta proposta da Adjori é a cara de pau!? Miguel Angelo Gobbi, foi o maior beneficiado financeiramente pelo cofres públicos nos anos de governo de Luiz Henrique da Silveira.

   Com uma rede espalhada pelo interior, segundo Gobbi, 190 jornais, o empresário fez a festa durante o reinado do finado governador LHS. Logo no começo do governo LHS, em 2003, a Adjori passou a fazer parte da "distribuição técnica" da verba de publicidade do governo. Processo criado na época pelo então secretário Derly Massaud. Falavam em "democratização da mídia" que trocados em miúdos, nada mais era que a distribuição seletiva de dinheiro público para propaganda eleitoral.

   Em 2006, a drenagem do nosso dinheiro para a empresa de Gobbi foi tão escandalosa, que acabou entrando como suporte no processo do pedido de cassação do diploma de LHS, reeleito fraudulentamente por abuso do poder econômico, utilização indevida dos meios de comunicação, crime eleitoral e abuso do poder de autoridade.

   A empresa de Gobbi, Adjori, foi a ferramenta principal utilizada por LHS para alvancar a sua reeleição "por toda Santa Catarina". A Adjori fazia escancaradamente a apologia do "grande adaministrador" LHS.

Nos autos do acórdão prolatado no julgamento da Ação de Investigação Judicial Eleitoral nº 2.457, o relator Juiz José Trindade dos Santos, bem asseverou:

“4.1 Dos documentos acostados pela representante, anoto o seguinte: 1) a entrevista concedida pelo então Secretário de Estado de Comunicação, Sr. Derly Massaud de Anunciação, ao Jornal Diário Catarinense, onde o ex-Secretário faz referência, no tocante à propaganda institucional no exercício em curso, ao período em que o Governo poderá manter-se ativo na comunicação paga e à continuidade dessa política agressiva de comunicação, tecendo comentários sobre os gastos com propaganda, inclusive sobre um eventual excesso (fl. 94); 2) no site da ADJORI (www.adjorisc.com.br), especificamente no link "Associados", extrai-se o seguinte texto: "Atualmente a Adjori/SC mantém 143 jornais associados. Com tiragem média de 3.000 exemplares, os jornais ultrapassam a marca de 400.000 exemplares circulando em praticamente todos os 293 municípios de Santa Catarina, inclusive em Florianópolis. Juntos, os jornais associados somam mais de um milhão de leitores no Estado, considerando-se a média de 3 leitores por exemplar" (fi. 101); (...).”

E adiante, prossegue:

“Nessa esteira, traz-se alguns números, extraídos do/disponíveis no site deste Tribunal Regional Eleitoral, a fim de quantificar o eleitorado que poderia vir a ser atingido pelos jornais constantes nos autos, considerando, para tal fim, os seus respectivos "local de circulação”: ANCHIETA, 5.019 eleitores; APIÚNA, 6.644 eleitores; ARMAZÉM, 4.913 eleitores; ASCURRA, 5.495 eleitores; BANDEIRANTE, 2.360 eleitores; BARRA BONITA, 1.792 eleitores; BELMONTE, 2.180 eleitores; BLUMENAU , 202.657 eleitores; BOTUVERA, 3.092 eleitores; BRAÇO DO NORTE, 19.321 eleitores; BRUSQUE, 63.577 eleitores; CAÇADOR, 46.778 eleitores; CALMON, 3.010 eleitores' A , CAMPO ERE, 6.661 eleitores; CANELINHA, 7.014 eleitores; CHAPECÓ, 107.670 eleitores; CONCÓRDIA, 49.991 eleitores; CRICIÚMA, 128.692 eleitores; DESCANSO, 6.474 eleitores; DONA EMMA, 2.353 eleitores; FLORIANÓPOLIS -, , 288.746 eleitores; GRAO-PARA, 5.098 eleitores; GRAVATAL, 7.354 eleitores; GUABIRUBA , , 10.182 eleitores; GUARACIABA, 8.187 eleitores; GUARUJA DO SUL, 3.864 eleitores' -, IBIRAMA, 12.377 eleitores; IPORA DO OESTE, 6.169 eleitores; ITAPIRANGA , , 11.211 eleitores; JOINVILLE, 321.131 eleitores; JOSE BOATEUX, 3.441 eleitores; LEBON REGIS, 8.444 eleitores; LONTRAS, 6.648 eleitores; MACIEIRA, 1.832 eleitores; MAJOR GERCINO, 2.604 eleitores; MATOS COSTA, 2.336 eleitores; NOVA TRENTO, 8.510 eleitores; PALMA SOLA, 5.756 eleitores; PARAíso, 3.197 eleitores; PRESIDENTE GETÚLIO, 9.978 eleitores PRESIDENTENEREU, 2.043 eleitores; PRINCESA, 2.122 eleitores; RIO FORTUNA, 3.755 eleitores; SAL TINHO, 2.725 eleitores; SANTA ROSA DE LIMA 1.699 eleitores; SÃO JOÃO BATISTA, 13.625 eleitores; SÃO JOÃO DO OESTE, , -' -' 4.527 eleitores; SAO JOSE, 129.549 eleitores; SAO JOSE DO CEDRO, 11.198 eleitores; SÃO LUDGERO, 7.321 eleitores; SÃO MARTINHO, 2.718 eleitores; SÃO MIGUEL DO OESTE, 25.060 eleitores; TIJUCAS, 20.764 eleitores; TUBARÃO, 68.306 eleitores; TUNÁPOLlS, 3.612 eleitores; VITOR MEl RELES, 4.282 eleitores.

Não se fará qualquer referência exclusiva ao resultado eleitoral (aos "frutos colhidos", pois despiciendo), nem mesmo ao número de potenciais eleitores existentes nas áreas de abrangência dos respectivos jornais (creio que mais de 1.600.000), nem à tiragem individual e do somatório dos veículos. A potencialidade está nesse conjunto de "resultados", o qual, somado ao modelo de propaganda (encartes em jornais), e à paridade das demais campanhas publicitárias governamentais desse Governo, podem desequilibrar o concurso eletivo. E o art. 23 da Lei Complementar n. 64/1990, sustenta tal construção.” 

domingo, 7 de junho de 2015

Pedacinho do Céu


   A Dona Zenaide, 75 anos, é uma amostra de vida feliz e camarada. Viúva com oito filhos, criou a todos com alegria e trabalho à beira-mar. No Pântano do Sul, sobre as areias brancas, ela comanda, literalmente, um Pedacinho do Céu. Fica no lado direito de quem entra na praia, uma das mais lindas paisagens da Ilha, gaivotas e peixes numa eterna luta de corpos, azul cintilante nas ondas das águas límpidas do sul, após o vento cantado por Cruz e Souza que a tudo varre e purifica.
   Ela faz as melhores tainhas assadas que as brasas podem preparar. Postas fritas, pirão, batata doce assada, canjica e caipirinha. Cervejas geladas como os pinguins que vivem no quadrante sul, misturando os ares da serra com o malte dos campos. Originais.
   Preços adequados para a época de arrocho fiscal. Um passeio pela culinária típica do pescador local.
   Confiram...


sábado, 6 de junho de 2015

A solução final


   Caro Sérgio Rubim, bendito Canga:
   Agora que temos na EMBRATUR um catarinense, com apoio do PMDB, podemos pensar numa Ópera House na Ponta do Coral. Ou não? Seria um espaço para shows, exposições, marinas públicas, praças, restaurantes e etc. 
   O estacionamento principal seria na área da Penitenciária (demolida) e até o do CIC, com passarelas sobre a Beira - Mar para acessar o novo empreendimento cultural, esportivo e recreativo.
   Coisa de gente grande, como nos projetos do Niemeyer ou do Calatrava.
   Ou vamos ficar na discussão pequena de mais um hotel na cidade?

   Do seu leitor, Irônio