sábado, 30 de abril de 2016

Corrupção nas obras das Olimpíadas do Rio de Janeiro

Principal interlocutor de Marcelo Odebrecht sobre projetos da Copa e Olimpíada, o executivo Benedito Junior encerrou a carreira de três décadas na maior construtora do Brasil quando a Polícia Federal bateu à sua porta, em fevereiro deste ano, em meio às investigações da Lava Jato. Centenas de documentos foram apreendidos com ele. Entre planilhas com repasses a políticos, há um documento que não traz cifras. No entanto, trata de um negócio bilionário envolvendo o palco principal dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro.   
 
      Por Adriano Belizário da Pública
    É uma pauta de reunião na qual a Construtora Norberto Odebrecht, a Andrade Gutierrez (AG) e a Carvalho Hosken (CH) aparecem como as empresas responsáveis pelo consórcio do Parque Olímpico da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. A data é 11 de fevereiro de 2011. Demoraria mais de um ano para elas serem anunciadas oficialmente como vencedoras da licitação – após disputarem sozinhas uma “concorrência” que elas mesmas conceberam. E mais: favorecendo as empresas, a prefeitura ignorou o próprio prazo para entrega de estudos de viabilidade do empreendimento, impossibilitando a participação de outras concorrentes e direcionando a licitação ao trio vencedor.

   Para Paulo Furquim, ex-conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o documento analisado pela Pública (veja abaixo) é um indício de colaboração entre concorrentes que merece ser investigado. “Há um papel de uma empresa que antecipa o que ocorreu depois. Ele não é como uma Mãe Dináh, não está especulando sobre o futuro. Está dizendo coisas sobre o futuro como quem tem segurança do que está acontecendo”, aponta. Professor de direito econômico pela Fundação Getulio Vargas, Mario Schapiro concorda: “Há indicadores que sustentariam uma investigação em várias instâncias, como no âmbito criminal, administrativo através do Cade, de improbidade, enfim, várias investigações deveriam ser feitas com uma pergunta em comum: esta licitação foi dirigida ou não?”.
   O Ministério Público do Rio de Janeiro anexou os fatos apontados pela reportagem a um inquérito em andamento sobre os contratos da Olimpíada, afirmando que “em tese, há indícios de possíveis irregularidades”.

   Leia matéria completa na Pública.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Justiça "bate nas panelas" do vice-governador Pinho Moreira

   O colunista Rafael Martini (DC) noticiou esta semana que um oficial de Justiça "visitou" o apartamento do vice-governador Eduardo Pinho Moreira, na Avenida Beira-Mar Norte, área nobre de Florianópolis.
   O objetivo da visita foi penhorar os bens, móveis e utensílios domésticos, de Pinho Moreira, em função de Ação Civil Pública por improbidade administrativa, proposta pelo Ministério Público do Estado, no famoso escândalo Monreal, quando Pinho presidiu a Celesc.

O Cangablog publicou matéria sobre o escândalo Celesc/Monreal em setembro de 2011. Leia:

O GOLPE MILIONÁRIO DA CELESC
R$ 373.285.198.55


    Queridos leitores,
   esse numero acima é o valor que deveria ter entrado no caixa da Celesc para justificar o pagamento de R$ 51,7 milhões à empresa de cobrança Monreal, com quem a nossa maior empresa pública mantém um contrato pra lá de suspeito.

Leio no blog do Moa, ainda agora, que o vice-governador e ex-presidente da Celesc, Eduardo Pinho Moreira, chegou há pouco de umas férias pelas paradisíacas terras italianas.
    Chegou cheio de gás - também pudera, férias assim turbina qualquer um - dizendo que já falou com o presidente da estatal, Antônio Gavazzoni e com ex-diretores da empresa.
Que estaria se inteirando do resultado da polêmica auditoria que resultou na constatação da não comprovação de R$ 51,7 milhões pagos à Monreal, empresa contratada para cobrar faturas atrasadas da Celesc.

    Já o jornalista Paulo Alceu, no jornal da Ric Record agora à noite, disse que falou com Pinho Moreira por telefone e que ele disse que "DEUS É O SENHOR DA RAZÃO", e que está absolutamente tranquilo quanto às denúncias.

    Bem, eu nunca fui presidente de uma estatal, mas na minha parca experiência como jornalista aconselharia o vice-governador a não ficar, assim...digamos, muito tranquilo!!!!!

    Vem trolha grossa por aí!!!

    Tudo aponta para uma grande roubalheira de milhões de dinheirama pública que, se ele não colocar na cola de algum subalterno, vai ter que assumir que é ladrãozão mesmo!!!!!

    Vocês devem estar encucados com aquele numerão lá em cima, né? Bobagem, aquilo é café pequeno. Tem muito mais!!!


    Hoje vai apenas uma pequena parte do grande golpe armado para "sumir" com dinheiro público que esta quadrilha do PMDB montou em 8 anos de governo de Luiz Henrique da Silveira. Vocês estão lembrados da denúncia feita há dias pelo Diario Catarinense?

    Dizia lá no DC, que "Consultoria externa aponta que não há registro na estatal comprovando a prestação de serviços. O que ameaça o futuro da Celesc é o seu passado. Documento de 28 de abril de 2011, assinado pelo Conselho Fiscal, aponta o sumiço de R$ 51,7 milhões do caixa da estatal".

    Pois bem, esse "dinheirinho" que a Celesc, sob a presidência de Eduardo Pinho Moreira, pagou para a empresa Monreal é apenas a ponta do iceberg de uma roubalheira que não tem tamanho.
    Pinho Moreira, que chegou de férias da Europa cantando de galo, dizendo que tudo isso é armação, que "bala de borracha doi mas não fere", e outras babaquices mais, não tem como comprovar que os R$ 51,7 milhões pagos foram por serviços prestados e comprovados pela Monreal.

    Queridos leitores e eleitores,
se realmente a empresa Monreal tivesse arrecacado tudo que disse que arrecadou para merecer os 13, 85 % do contrato assinado com a Celesc, a maior empresa dos catarinenses estaria hoje super aviária.

    Para receber R$ 51,7 milhões da Celesc, a Monreal teria que ter cobrado, em dívidas atrasadas o valor de :

R$ 373.285.198.55

    Este dinheiro teria que ter entrado no caixa da Celesc. Onde está este dinheiro queridos leitores e eleitores?????

O GATO COMEU !

    É só dar uma olhadinha no contrato entre a Celesc e a Monreal, para saber que para pagar tinha que ter cobrança comprovada. Não existe comprovação de nada!
Até quando?????

Clique na imagem que aumenta

Outras matéria publicadas pelo Cangablog sobre o assunto:

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Investigações colocam Lula no comando do Petrolão

   Conta outra, essa eu já sei!
  
Segundo o procurador
federal, Carlos Fernando dos Santos Lima, em entrevista à revista Época, as investigações e delações já realizadas, levam à um só caminho: Lula estava na cadeia de comando do Petrolão!
   Segundo o negociador-chefe dos acordos de delação premiada, Carlos Fernando afirma que "como já se sabe quase tudo sobre o caso, há cada vez menos espaço para novos delatores; quem quiser reduzir sua pena terá de contar algo muito valioso aos investigadores".
 
   Leia a entrevista do procurador na Época. Beba na fonte.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Senador Dario Berger condenado por show fantasma de Andréa Bocelli

O senador da República, Dário Berger (PMDB-SC), ex-prefeito de Florianópolis, acaba de ser condenado pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) a devolver mais de R$ 4 milhões, por um show de Natal que não aconteceu e ficou conhecido como Afair Bocelli.

Mentores: Dario Berger (condenado), Cavallazzi (preso) e Luiz Henrique (morto)

    O afair Bocelli foi um golpe planejado por um grupo de políticos catarinenses e tem como ingredientes o desaparecimento de somas milionárias de dinheiro público, histórias mal contadas, e repercussão internacional. Foi trazido à público em 28 de agosto de 2009. Nesta data, o Diário Oficial de Florianópolis publicou a dispensa de licitação para contratação da empresa Beyondpar (RJ), por R$ 3 milhões, para produzir o show do tenor italiano, Andrea Bocelli. Bocelli se apresentaria no denominado NATAL DOS SONHOS, a grande festa de final de ano patrocinada pelo Governo do Estado e Prefeitura Municipal.
    A idéia do mega-evento surge no segundo mandato do governador Luiz Henrique da Silveira, em pleno surto de megalomania, onde tudo que planejava para SC, e propagandeava na mídia, era sempre o maior e o melhor. Tudo de "primeiro mundo" e "intercontinental", como costumavam alardear seus acólitos da República de Joinville.


http://2.bp.blogspot.com/-bW0SsV-LLGo/UFc1Ri1o-NI/AAAAAAAAX8E/uTtF92eyIss/s1600/IMG01785-20120815-1534.jpg    A gênese   

    Tudo começou numa bela tarde de outono, no requintado gabinete do governador Luiz Henrique da Silveira. Segundo transcrição no voto da relatora do processo (TCE-06/00654848), Sabrina Nunes Locken, estavam no gabinete de LHS, Dário Berger, Gilmar Knaesel, Walter Galina, Mário Cavallazzi, dois representantes da empresa carioca Beyondcomm e Cleverson Siewert, secretário da Fazenda do Estado.
    Ali, em clima festivo, se discutia a magnitude da moderna árvore de Natal de leds, que seria plantada na Av. Beira Mar Norte, para adornar o que Luiz Henrique batizou de o Natal dos Sonhos!
    Embriagado com tanta modernidade e beleza, Luiz Henrique, em um lampejo de lucidez, comenta: "a árvore ficaria de fato maravilhosa, ainda mais, se o maestro Andrea Bocelli pudesse cantar ao pé da monumental árvore" (sic). A idéia foi recebida com entusiasmo por todos os integrantes da fatídica reunião.
    Luiz Henrique, poderoso, imediatamente dispara um telefonema internacional para a Sra. Milena Perini, amiga de Andrea Bocelli e pessoa de sua relação social em Joinville, ora morando na Europa.
    Dona Mileni fez a ponte e colocou o maestro italiano em contato pessoal com o governador. Segundo relatos de participantes do convescote, Luiz Henrique, naquele momento, elevou o ego às nuvens numa pirotecnia exibicionista em frente aos embasbacados mortais municipais.
    Andre Bocelli sucumbiu frente ao maravilhoso relato da bela árvore que adornaria seu grande show, e disse a LHS: "se a árvore é tão grandiosa e bonita assim, vou fazer o show". (Tadinho!)
    Pronto, estava criado o ambiente que redundaria no retumbante fracasso. O Natal, que seria dos Sonhos, virou o Natal do Pesadelo.


    Começa a armação
   Luiz Henrique conseguiu vender idéia do mega-show para o prefeito Dário Berger que engoliu a bolinha de polenta com anzol e tudo. Havia a promessa de que o estado repassaria, ao município, os recursos necessários
para o evento.
    Sem tempo a perder, imediatamente à proposta de Luiz Henrique, o secretário de Turismo do Município, Mário Cavallazzi, encaminha ofício ao secretário estadual de Turismo, Gilmar Knaesel, dia 31 de agosto de 2009, informando o cronograma de desembolso, previamente acertado entre Luiz Henrique da Silveira e a empresa Beyondpar, do Rio de Janeiro. 


   
Este documento é a primeira prova da série de ilegalidade que serão cometidas daqui em diante. Em primeiro lugar o dinheiro foi pedido com cronograma ¨acertado¨ entre LHS e os cariocas, sem nem um arremedo de projeto elaborado. Diante do papel de padaria pedindo os R$ 3 milhões, Luiz Henrique informa que para a liberação do "tutu", deveria ter uma contra partida social.
    Como o leitor pode ver, a compensação social oferecida por Mário Cavallazzi, e aceita por Luiz Henrique, se não é um deboche, é uma peça de alto valor científico. Ficou conhecida com a Contrapartida Social do Crioulo Doido!
    Mário Cavallazzi que não é homem de se apertar por pouca coisa, no mesmo dia (31/8) elabora essa pérola abaixo:


"Pela primeira vez na história, as festividades de fim de ano vão se integrar ao esforço mundial de redução de emissão de gases poluentes que contribuem para o efeito estufa no planeta. O município vai levantar o volume de poluição ambiental gerada pelo espetáculo para compensar a liberação de gás carbônico com o plantio de árvores em áreas degradadas".

    Entra o alcaide
   No dia 3 de setembro o prefeito Dário Berger dá andamento ao plano na área financeira. Tinham pressa. Solicita o Banco do Brasil a abertura de uma conta corrente específica que irá receber e movimentar os milhões que viriam dos cofres do Estado.
    No ofício encaminhado ao BB, Dário Berger imprime suas digitais como participante do esquema. Informa que a conta será movimentada conjuntamente entre ele e o Secretário de Finanças e Planejamento do Município, Augusto Cézar Hinckel.

    O repasse
    A execução do plano corria a contento. Cada integrante do grupo fazia a sua parte. Pedido feito, conta aberta, só faltava o repasse do dinheiro combinado com o governador Luiz Henrique da Silveira.
    Em 21 de setembro de 2009, o governador Luiz Henrique dá o "de acordo", autorizando o pagamento de R$ 3 milhões para execução do Natal do Sonhos, por ele planejado e batizado.
    O documento assinado por Luiz Henrique é totalmente ilegal. O governador não cumpriu o Art. 38 do Decreto 1.291, assinado por ele mesmo, que regulamenta a concessão de financiamento de projetos.
    Imediatamente pós a autorização do governador LHS, em 24 de setembro, é assinado o contrato de apoio fianceiro, nº 12.513/2009-0, entre o Estado de SC e o município de Florianópolis para execução do Show Internacional Maestro Andrea Bocelli no valor de R$ 3 milhões.

  
Passo seguinte, o prefeito Dário Berger, via Secretaria Municipal de Turismo, firma o contrato com a empresa carioca Beyondpar para a realização do Natal dos Sonhos. O plano se desenvolvia a contento. Tudo azeitado e dentro dos "providenciamentos". Agora estava na hora de "repassar" os R$ 2,5milhões.
    O primeiro pagamento (R$ 200 mil), já foi feito ilegalmente, a título de antecipação, em 29 de setembro de 2009. O segundo pagamento (R$ 800 mil) em 29 de outubro e o terceiro (R$ 1,5 mil) em 19 de novembro.

    Tudo isso foi feito atraves de ordens bancárias, assinadas por Dário Elias Berger e Augusto Cesar Hinkel. Dário chancelava com essas assinaturas a sua participação efetiva no negócio.
    Agora chegava a hora de anunciar publicamente, para os contribuintes que entravam com a grana, o maior evento da história da capital catarinense.
    Em seu site oficial, o governador manda publicar matéria anunciando o show para um milhão de pessoa na capital.





¨É um espetáculo para dar mais brilho à nossa luz de Florianópolis, e vai certamente atrair a atenção da mídia internacional, contribuindo para trazer mais e mais turistas do mundo todo¨. (Luiz Henrique)

“Andrea Bocelli fará show gratuito para um milhão de pessoas
em dezembro na Capital Florianópolis (1/10/2009) - Com o apoio do Governo do Estado, através de recursos dos fundos estaduais de Cultura e Turismo, a Prefeitura de Florianópolis realizará no dia 28 de dezembro, na Avenida Beira-mar Norte, um show do tenor italiano Andrea Bocelli. O cantor terá acompanhamento de um coral de 60 vozes e orquestra sinfônica formada por músicos de Santa Catarina.
    O show será gratuito à população e a expectativa dos organizadores é reunir em torno de um milhão de pessoas para a apresentação única do cantor. A confirmação da vinda de Andrea Bocelli foi feita na tarde desta quinta-feira (1º/10) pelo governador Luiz Henrique em companhia de diversas autoridades. “Neste ano, o Natal Luz de Florianópolis terá uma luz mais reluzente”, anunciou o governador. (do site oficial da Secretaria de Estado de Comunicação)


   Estoura o escândalo
   A cidade que dormia embalada pelos sonhos megalômanos de Luiz Henrique e Dário Berger, acorda no dia 28 de dezembro envolvida numa grande polêmica. A notícia do cancelamento do mega-show de Andrea Bocelli, na Av. Beiramar, entristeceu a cidade e deixou no ar uma sensação de enganação. 
   Estava estabelecido mais um escândalo entre tantos outros que marcaram as administrações estadual e municipal do PMDB. A suspeita contratação, os valores milionários envolvidos, a total falta de garantias e os pagamentos antecipados ensejaram Ações Populares e Civil Pública, na justiça e no Tribunal de Contas do Estado. Todas estas ações resultaram na indisponibilidade dos bens de Dário Berger, Mário Cavallazzi e outros integrantes do grupo.

   A mentira de Gean
   Apesar de todas estas evidências do crime, o então prefeito em exercício, Gean Loureiro, expede uma declaração afirmando que os R$ 2,5 milhões do Funturismo foram aplicados no Projeto Show Internacional Maestro Andrea Bocelli.

    Dário entrega os parceiros
   Percebendo o tamanho da encrenca em que havia se metido, o prefeito Dário Berger, sem constrangimento algum, começa um processo de delação contra os parceiros de crime. Protocola na justiça uma Ação Ordinária de Reparação de Dano, causada por ato ilícito, cumulada com pedido de tutela antecipada de insdisponibilidade de bens, contra os co-partícipes: A Empresa Beyondpar, Mário Cavallazzi e outros.
    Nesta peça jurídica, Dário reconhece que houve crime, mas tira o seu da reta e coloca no dos parceiros.





O que restou à população de Florianópolis foi a pergunta:
ONDE ESTÁ O DINHEIRO DÁRIO BERGER???!!! 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

BARQUEIRO


Por Emanuel Medeiros Vieira
 Em memória do meu amigo Air Dias
Quem não se contradiz/não diz/radicalmente sério/só o cemitério
(Sebastião Uchoa Leite– 1935-2003)
 
 O barqueiro Caronte leva-me pelas águas do rio Estige.

Mas para onde?
Sou eu?
Não: aqui – nesta terra – não mais estou.
Não “sou mais” – já fui, agora  é “passado”.
Quem fui eu lá trás?
E ele rema.
(Caronte, Caronte)
Meu destino é o Hades (filho de Cronos e Réia)?
Sim, o Tempo está entranhado ­ nestas palavras, na minha vida, em todas as existências – e como  saberemos quanto ele me (nos) concede?
Há prêmios, castigos ou é apenas o Nada?
Retorno ao pó inelutável.
Toda esta luta valeu?
Quem saberá?
Mas, romanticamente, quero crer que sim – houve um sentido.
A memória já pertence aos que ficaram – não mais a mim.
E meus mortos abanam para mim..
Tento sorrir: “Aguardem-me”.
(Brasília, 22 de abril de 2016)

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Ladrão do PMDB é diferente de ladrão do PT!

   
   Se concretizada a manobra de ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de costurar um grande acordão para livrar Michel Temer do impeachment - como vice de Dilma, na chapa eleita com dinheiro do Petrolão - a tese, idiota e única, de que "impeachment é golpe", ganha corpo e reforça o discurso da militância robotizada do blog Brasil 247.

  Existem, no TSE, quatro processos de cassação da chapa Dilma/Temer nas eleições presidenciais de 2014. Num primeiro momento, quatro ministros (Gilmar Mendes, Luiz Fux, Dias Toffoli e Henrique Neves) estariam favoráveis à separação das contas de campanha, tipo: uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa completamente diferente. 

   Michel Temer e seu PMDB, estão tão profundamente enraizados na corrupção da Petrobras, quanto o PT de Lula e Dilma. São ladrões, quase da mesma estirpe. O PMDB, é claro, é mais inteligente e chic, que a ratatulha petista. Rouba com mais "classe", é cheiroso e faz parte dazelite do país.

   O dinheiro roubado que foi para a campanha de Dilma, é o mesmo que foi para a campanha de Temer. Michel Temer também está denunciado na Lava Jato e o seu PMDB participou ativamente da administração desastrosa do PT, ocupando diversos ministérios de extrema importância. Eles também quebraram o Brasil!

   A manobra no TSE, é uma das frentes de batalha que o PMDB usa para se manter no poder. A outra, é acabar com a Operação Lava Jato e com o juiz Sérgio Moro. Esta última, tem o amplo e incondicional apoio da mídia (blogs e revistas) petistas sustentada com dinheiro da corrupção, que sonha em livrar Lula da Silva das prisões da República de Curitiba.
   
   Os ministros do TSE, que defendem a tese de separação dos processos, justificam que a Corte "tem o dever de evitar uma crise de governabilidade" após o "trauma" do impeachment.

   Contem outra, seus malandros!

   Uma divisão nos processos de Dilma e Temer contraria qualquer jurisprudência do TSE que, em toda a sua existência, jamais admitiu pedidos de divisão de contas entre titular e vice. Em caso de irregularidades, as chapas foram cassadas integralmente.

   Ou seja, no "trauma" pós-impeachment, ser ladrão não será mais tão importante quanto foi no caso de Dilma. Ladrão do PMDB é diferente de ladrão petista!

   Era só o o que nos faltava!

Sem compromisso ideológico, parceira do PT entrega a corrupção!

Brasil
Delatora diz que Mantega negociou caixa 2 em campanha de 2014
 

por Thiago Herdy
Mulher e sócia de João Santana, Monica Moura afirmou que R$ 10 milhões do total que recebeu pela campanha de Dilma não foram declarados à Justiça
  
SÃO PAULO — O ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do BNDES, Guido Mantega, intermediou o pagamento de caixa 2 para a campanha pela reeleição de Dilma Rousseff em 2014, segundo a mulher do marqueteiro João Santana, Monica Moura. Em relato a procuradores federais de Brasília para tentar fechar acordo de colaboração premiada, Monica contou que Mantega se reuniu com ela e indicou, mais de uma vez, executivos de empresas que deveriam ser procurados para ela receber contribuições em dinheiro, que não passaram por contas oficiais do PT e, por isso, não foram declaradas à Justiça Eleitoral. Mantega reconhece ter se encontrado com Mônica, mas nega a acusação. 
   Leia mais em O Globo.

 Anotações de celular de Marcelo Odebrecht é usado como prova na Lava-Jato
 

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Lula quer quebrar ainda mais o país

  Lula sabe que Dilma Rousseff será afastada do cargo.

  De acordo com o Valor, seu plano, agora, é “partir para o ataque contra Michel Temer e impedir a aprovação de medidas propostas pela gestão pemedebista, a fim de inviabilizá-la”.

   É por isso que Michel Temer tem de explicar aos brasileiros que o PT quebrou o país.

   O plano de Lula, de fato, é quebrá-lo mais ainda. (Dos Antagonistas)

segunda-feira, 18 de abril de 2016

O Brasil mostra a sua cara...e não é bonita!


Por Sergio Rubim
  
 Durante 9 horas, no dia de ontem 17/04/2016, assistimos o Brasil expor as suas misérias nos discursos dos legítimos representantes do povo brasileiro.

   Na votação para a aceitabilidade de processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, os deputados federais transformaram a Câmara dos Deputados num verdadeiro circo dos horrores...tupiniquim.

   A mediocridade dos discursos, dos gritos, dos exageros, das louvações às famílias, times de futebol, aos seus currais eleitorais, a Deus, a Brizola, aos seus filhos e, até netos que estão para nascer, mostraram o nível pequeno dos nossos representantes.

   Mas esse é o Brasil! Ali está representado o povo brasileiro! A Câmara dos Deputados é uma rapsódia desta grande colcha de retalhos. Essa colagem cultural desenhou um monstrengo disforme, sem cultura, sem educação sem esperança.

   Ali, durante aquelas horas intermináveis, todos os tipos de brasileiros estiveram presentes. Na Câmara temos essa variedade de gente. Tem preto, branco, mentiroso, viado, golpista, defensor de torturadores, democratas, prostitutos, pseudo esquerdistas, palhaços, ignorantes, espertos, enfim... ali só não tem bobo! Personagens compráveis e vendíveis!

   Independente das verdades reveladas em rede nacional de TV, em horário nobre, ali se viu a democracia em ação. Todos disseram o que quiseram e criticaram como e quem quiseram. Gritaram, se esganiçaram e votaram contra e a favor em um processo autorizado pelo Supremo Tribunal Federal, pela lei 1079/50 (crime de responsabilidade) respaldado pela Constituição Brasileira. Tiveram até a liberdade de contestar a legalidade do processo dizendo ser golpe.

   Apesar do horror que assistimos, acho que o saldo é positivo. Praticar democracia amadurece o povo e o país, independente do resultado político.

   Em todo esse processo político que se desenvolveu nos últimos meses, acredito que a sociedade brasileira amargará apenas um efeito colateral: as inimizades consequentes do embate com ódio, da política feita com o fígado como se viu, mais nas redes sociais e menos nas ruas. 
 
   Muitas das pessoas que se engajaram no processo político, desde as mobilizações de rua até o uso das redes sociais para defender o seus pontos de vista, confundiram adversário político com inimigo pessoal. Ao deixar a emoção se sobrepor à razão e ao pensamento científico, dividiram maniqueistamente as torcidas: quem defendesse o impeachment da presidente Dilma era fascista, defensor de torturador e a favor de golpe militar. Já os que defendiam Dilma, eram defensores de ladrões, corruptos, comunistas. 

   Resumir uma mobilização política de dimensões gigantescas - em um país continental com uma cultura política bastante sortida - à uma simples disputa entre esquerda e direita é mais um reflexo da nossa falta de conhecimento e ignorância política. Mas acredito que - pela nossa "natureza" - se restou alguma sequela entre amigos e colegas, o tempo se encarregará de corrigir.  

   Penso ainda que essas mazelas sejam fruto de apenas uma coisa: falta de educação do brasileiro.
   
   Desde que me conheço por gente, ouço políticos prometerem resolver os problemas de saúde e educação do Brasil. Na prática, apenas Brizola - tão citado ontem - investiu na Educação. Entre 1959 e 1963, governador do RS, construiu 5.902 escolas primárias, 278 escolas técnicas e 131 ginásios contratando, como dizia meu pai, "de uma só canetada", 42 mil professores.

   Ontem o Brasil mostrou a sua cara. Podemos não achar bonita, coisa de vergonha alheia, mas é o que temos para o momento!


 

domingo, 17 de abril de 2016

O CAOS LATINO AMERICANO

Lula e Cristina frente à eternidade andina.

Milhões de anos no caos deixaram a estabilidade como herança nos Andes, apesar das tempestades que estão sempre assolando essas montanhas aqui por Mendoza, província da Argentina, onde me encontro neste momento. Já na política, nós latino-americanos somos vítimas de velhas artimanhas e trapaças sem fim. 
   Por Laercio Duarte   
   A invicta, gloriosa e democrática Universidade Federal de Santa Catarina anuncia um interessante seminário: "Jornadas Bolivarianas", e a propaganda do seminário diz que é "um novo jeito de discutir a América Latina". Novo? Pelo que me lembro, o bolivarianismo entrou na UFSC pela porta dos professores marxistas do departamento de economia, lá por 2004, nos primeiros anos Lula. Naquele tempo, o atual defunto Coronel Chavez bombava no sub continente e espalhava sua pregação neo socialista, substituindo a de Leonel Brizola e a sua opção "morena".

   Passadas menos de duas décadas da pedra fundacional do novo mundo socialista, a Venezuela conseguiu falir sua companhia de petróleo, queimar milhões de postos de trabalho, deixar desabastecido o mercado de bens básicos de sobrevivência, além de prender metade da oposição política, pelo simples motivo de serem contra o regime. O coronel Chavez trocou os juízes da suprema corte e fez outra constituição, na busca de um país a seu gosto. Mas morreu cedo, sem deixar muitas esperanças para os sempre sofridos e pobres venezuelanos. Em compensação, deixou em seu lugar um novo caudilho, o bigodudo ex caminhoneiro Maduro, que diz receber diariamente a visita de um passarinho, que em nome do coronel Chavez vem lhe contar as novidades do mundo astral e conceder o privilégio de repassar conselhos pessoais, principalmente quanto ao melhor modo de construir a "revolução bolivariana". Se falta papel higiênico nos super mercados, a culpa é da burguesia orientada a partir de Washington, com o propósito específico de fazer a contra revolução. Outra herança "bendita" deixada por Chaves, são as milícias revolucionárias, militantes de alta performance selecionados à dedo nas fileiras sindicais, estudantis e do assim chamado movimento popular. Essas pessoas ocupam cargos de confiança na estrutura do estado, afim de garantir o alinhamento ideológico e programático das ações governamentais com o ideário da revolução.

   Lembra alguma semelhança com o PT de Lula e Dilma no governo brasileiro?

    Senão, vejamos. Uma ala neo trotskista do PT, sem paciência nem disposição para fundar o próprio partido, como fez o PSTU, ou com interesse em preservar as boquinhas (o que é mais provável), repercute uma nota de seus chefes em Paris, dando conta de que a comissão executiva da Quarta Internacional, uma organização do comunismo Trotskista, que considera o impedimento de Dilma como um golpe contra os trabalhadores brasileiros. Como se eles soubessem o que são trabalhadores ou o que são "brasileiros". Na outra ponta comunista, que se odeiam mutuamente, o comitê central do Stalinista PCdoB, sócios do PT na pilhagem do estado brasileiro, solta outra nota, agora em apoio ao ditador da Coreia do Norte, contra a ameaça "imperialista" norte americana, que está supostamente instalando armas nucleares na vizinha Coreia do Sul.

    Na área doméstica, o "movimento popular" leva com dinheiro público centenas de milhares de militantes a Brasília, incluindo curiosos cidadãos bolivianos, que, além de "bolivarianos", tiveram o azar de ter como presidente o corrupto Evo Morales. Lula se instala de mala e cuia em três suítes de um hotel 5 estrelas em Brasília, de onde articula a compra de apoio à Dilma, contra o impedimento. O governo amplia indefinidamente o déficit público, rodando edições sem fim do Diário Oficial, com liberações de verbas e nomeações de apaniguados dos deputados federais que se venderam.

    Alguma semelhança com os bolivarianos de Cristina Kirchner na Argentina?! Cristina e seus sócios no governo da Argentina fizeram tudo isso e muito mais. Mesmo assim, perderam a eleição há poucos meses. 80% a 20% dos votos válidos em Buenos Aires. Nos dias atuais, os militantes pelegos do ex governo de Cristina, tentam criar todo tipo de problema e constrangimento para o novo governo de Maurício Macri. Não é preciso ser profeta para adivinhar o que vai acontecer com qualquer governo que venha a substituir os bolivarianos no Brasil. Vamos comer o pão que o diabo amassou, mas é o único jeito de nos livrarmos desta praga que nos explora há 13 anos.

    Quanto a matriz Venezuelana, infelizmente é um caso à parte, bem mais grave e sangrento.

A verdadeira dimensão...

Capa do jornal A Gazeta do Povo, de Curitiba, deste domingo. Jornalismo de grande dimensão!

sábado, 16 de abril de 2016

DEMOCRACIA


   Por Marcos Bayer

   Vem do grego (demos) povo e (cratos) governo. Democracia é o governo do povo, exercido por seus representantes eleitos pelo voto universal e secreto e fiscalizado, permanentemente, pelos eleitores. Chegamos a uma democracia brasileira real neste século 21, manchada por uma cleptocracia. Clepto em grego significa "roubo". Seremos o primeiro país no mundo a ver por duas vezes o processo de "impeachment", uma instituição política criada pelos norte-americanos, inspirada na prática democrática dos velhos e experimentados britânicos, um povo que sequer precisa ter uma Constituição escrita, tamanha sua milenar noção de direitos e deveres. 

   No começo era golpe, depois pediram ao STF para regulamentar o golpe, na quinta-feira, 14 de Abril, pediram aos 11 Juízes da Corte Suprema para cancelar o golpe. Domingo, 17 de Abril, assistiremos ao primeiro julgamento do golpe. Sua admissibilidade na Câmara dos Deputados, nossos representantes federais. 

   Mas, qual é o golpe, afinal? A rede de corrupção montada na Petrobrás? Os pagamentos mensais aos diversos deputados que sustentavam o governo Lula? O grande personagem deste golpe é o jovem Juiz Moro, nutrido pelas denúncias dos promotores federais de Curitiba e alimentado pelas investigações dessa moçada competente da nossa Polícia Federal. Domingo reverteremos a goleada de 7x1 da Copa da Fifa de 2014. Este grito de vitória que está contido na garganta do nosso povo. 

   Vota Brasil...

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Lava Jato: Apelido "Descobridor da América" intriga a Polícia Federal


   A Operação Lava Jato, em suas investigações, tem encontrado farto material para produzir um glossário folclórico de apelidos. Além dos nomes de batismo das operações, os empreiteiros envolvidos em corrupção, batizavam seus políticos com apelidos criativos, únicos e originais.

   Recentemente a Polícia Federal, ao perscrutar o telefone celular do empreiteiro Ricardo Pessoa encontrou, entre outros, o apelido "Descobridor da América" ao se referir a um político recebedor de propina.

   Aqui em Santa Catarina, nos meios políticos e jornalísticos, a reação foi imediata: - Quem diria, o senador Cristóvam Buraque, metido nessa sujeira! Exclamaram!
 
   Do Estadão  
   Em um diálogo de whatsApp, por exemplo, um interlocutor pergunta para Pessoa em 12 de abril de 2014 se “o negócio do descobridor da américa foi entregue para o João???”
   A mensagem é seguida por outras três questionando sobre a suposta entrega, até que o interlocutor afirma: “Já esta na mão dele, abs”. A reportagem tentou contatar o número do interlocutor, mas a ligação não completa.
 Leia matéria completa. Beba na fonte.

Lula é caso de polícia

"No início de 2013, Enivaldo Quadrado, braço direito do doleiro Alberto Youssef, pega um papel e o coloca num envelope. Entrega a Meire Poza com ar determinado e dispara: "Guarda bem isso aqui que é o meu seguro de vida contra o Lula". Um ano depois, ela entrega o papel para a força-tarefa da Operação Lava Jato. Aquele era um contrato pelo qual um dos suspeitos pela morte do Celso Daniel toma R$ 6 milhões do PT para poupar Lula e dois de seus ex-ministros no envolvimento do crime".
 
Trecho do novo livro de Romeu Tuma Jr., Assassinato de Reputações - Muito além da Lava Jato. 

As pedaladas criminosas da Mulher Sapiens

    Por Paulo Leonardo Medeiros Vieira*
   Acompanhando o processo de destituição da Presidência da República da autoproclamada mulher sapiens, não posso acreditar na boa-fé, – p/dizer o mínimo – dos que defendem Dilma Roussef com o argumento de que “não houve crime”!

   Só a má-fé pode justificar esse fundamento vindo de alguém com formação jurídica, como entre outros, o Advogado Geral da União.

   Contudo, estranho, da parte dos eminentes juristas que a acusam, a omissão de um argumento que por si só põe por terra a defesa da presidente.

   Recorro à lição do inolvidável penalista NELSON HUNGRIA, que definiu CRIME, como “o fato típico, contrário ao Direito, imputável a título de dolo ou culpa, a que a lei contrapõe a pena como sanção específica”. É só conferir.

   “Fato típico?”: “Sim. As Pedaladas fiscais”, por inexistência de autorização legislativa, conforme exigência legal inafastável.

   “Contrário ao Direito?” – Evidente, diante de expressa vedação legal.

   “Imputável a título de dolo ou culpa?” – Sim. Se houve uma vontade dirigida a um resultado – o crime é doloso. Se a acusada agiu por imprudência, imperícia ou negligência – o crime é culposo. Portanto, não tem escapatória.

   Ainda, só pra lembrar: de acordo com a lei penal, “quem de qualquer modo concorre para o crime, incide nas penas a este cominadas.” Dilma é, pois, responsável pelo delito supra, e co-autora da quebra da Petrobrás.

*Professor, Escritor e Advogado

sábado, 9 de abril de 2016

MST move militantes do Paraná para o interior de Santa Catarina.

As informações são do editor do jornal Informe, de Caçador-SC, Cleriton Freire. Militantes tentaram se hospedar em hotel sem pagar.
  
  Um grupo de militantes do Movimento Sem-Terra, vindos de Palotina, no Paraná, chegou a Caçador, interior de Santa Catarina na tarde de ontem. O bando de homens mal encarados tentou se hospedar em um hotel da cidade. Como a recepcionista exigisse pagamento antecipado, acabaram desistindo e foram embora.

   O grupo teria ido em seguida para um bar da cidade beber. A descrição da recepcionista sobre os homens não poderia ser mais assustadora. Mal encarados, com olhar de gente que está disposta a tudo, fizeram até mesmo com que a moça entrasse em contato com a polícia pedindo ajuda. Durante o período em que permaneceram na recepção, falaram em "Funais, Postos de Segurança na região" e em ficar vários dias no município.

   Talvez a manobra envolva tentar declarar algum território da cidade como área índigena. E a preocupação com Postos de Segurança tanto pode ser com guaritas da Polícia Rodoviária, quanto com postos de segurança privada que as grandes empresas madeireiras da região mantém em suas propriedade.

   Teoricamente não há nada para o MST fazer em Caçador. O município tem tão somente pequenas propriedades rurais familiares ou então reflorestamentos altamente produtivos mantidos por grandes madeireiras. Mas é claro que o Movimento não está respeitando o critério da produtividade faz tempo. O que assusta é o perfil da linha de frente enviada como coluna avançada.

   Aparentemente o MST está disposto a absolutamente tudo para manter a quadrilha criminosa no poder. (Sulconection)