quinta-feira, 11 de abril de 2013

CRIMES, MENTIRAS E TELEGRAMAS

Por Jessica Mota e Marina Amaral
Cumplicidade de Pinochet e americanos nas violações de direitos humanos no Chile expressa-se em telegramas cínicos e cheios de gentilezas; Pinochet sugeriu ao embaixador canalizar recursos através do Brasil
   Ele liderou o bombardeio do Palácio de La Moneda por aviões da força aérea, derrubou o governo Allende e assumiu o poder no Chile durante 17 anos. Em 1977, quatro anos depois do golpe que levou o presidente eleito, Salvador Allende, ao suicídio, e instituiu a ditadura militar no Chile, seu governo foi condenado pela ONU pela crueldade – comprovada – exercida contra presos políticos. Foram 40.018 vítimas da ditadura militar – mortos, torturados e presos políticos – de acordo com a contabilidade oficial do governo do Chile, divulgada em 2011. Em 2012, quase seis anos após sua morte, uma investigação judicial no país determinou a abertura de seu testamento, revelando uma fortuna de US$ 26 milhões, dos quais somente US$ 2 milhões possuíam justificativa contábil.
    Com essas credenciais, parecem no mínimo inadequados os adjetivos escolhidos pelo embaixador americano no Chile, Nathaniel Davis, para descrever o comportamento de Augusto Pinochet em telegrama secreto enviado em 12 de outubro de 1973, um mês depois do golpe, quando dois jornalistas americanos – Frank Teruggi, 24 anos, e Charles Horman, 31 anos, estavam oficialmente “desaparecidos”.
   Leia reportagem completa no PÚBLICA

2 comentários:

Anônimo disse...

Aonde desvirtuou-se a civilização e para onde está indo? Quantas maravilhas da humanidade são hoje apenas objeto de admiração platônica? tornadas em utopias, enquanto as ciências materializam o mais longínquo imaginário?
Mas uma certeza temos: as principais civilizações, de onde surgiram todas as outras. são africanas, até onde a história é contada.
Todos os nossos e vossos ancestrais de toda a humanidade estão localizados lá.
Os povos sul-americanos eram mais evoluídos em infraestrutura do que os europeus na idade média, vejam-se os Astecas e os Incas.
E, muito do que é hoje o velho mundo, deve-se ao que saqueou e apreendeu invadindo e dominando a estes povos.
Inclusive, um dos marcos da idade média deveu-se às grandes pestes por conta da falta desta infra-estrutura, também.
Se há povos decadentes e pobres, é por conta da devastadora invasão, etnocídio e exploração, da barbárie até hoje praticada, como se pode constatar na obra de Rafael Marques, autor do livro "Diamantes de Sangue: Tortura e Corrupção em Angola", da editora Bárbara Bulhosa; e, ainda, pelo jornalista e escritor Eduardo Hughes Galeano, em "As Veias Abertas da América Latina", editora L&PM.
Quem financiou e/ou financia?
A evolução passa por um conflito de conduta histórico, aonde os povos de determinada origem (deficientes de melanina) impõem uma dominação cultural e econômica sobre os outros povos, que por serem de outras raças não foram e nem são menos importantes e dignos para a humanidade.
Simplesmente foram/estão sendo suprimidos de seus recursos, cultura, autonomia e direito à vida. Esta é a minha opinião.
Ilustração: SIC
"É essa microadministração da vida cotidiana que faz o trabalho de garantir a lenta e constante expansão israelense: é preciso pedir autorização para viajar com sua família, para arar a própria terra, para cavar um poço, para ir ao trabalho, à escola, ao hospital… Um a um, os palestinos nascidos em Jerusalém são assim despidos do direito de viver lá, impedidos de ganhar a vida, negada a autorização de residência.
Os palestinos muitas vezes usam o clichê problemático de que a Faixa de Gaza é “o maior campo de concentração do mundo”. Mas, no último ano, essa designação se aproximou perigosamente da verdade." (carta capital/ distorções ideológicas/03.06.2011 12:16,por Slavoj Zizek)
Carlos Eduardo

Anônimo disse...

Iguais ou piores, temos aos montes no Brasil. E agora mesmo tentando novamente por
as mangunhas de fora.