sábado, 29 de dezembro de 2012

A mega virada dos bruzundangas em terras catarinas...

   Por Eduardo Guerini

   Na impossibilidade de dar continuidade as observações cotidianas sobre o trânsito caótico que assusta os provincianos catarinas no fabuloso “turismo receptivo” da maravilhosa e aconchegante província, o tema maravilhado será a mega virada que está sendo preparada para os bruzundangas festivos em tempo de veraneio.

   A orla está tomada de viventes que orquestrados no seu hedonismo irrefreável e crescente, tendenciosamente são impelidos a superar o trauma da incompreensível destruição das expectativas do “fim do mundo” segundo a mística maia. Na falta de um abismo civilizatório qualquer, temos agora que comemorar o “final do ano de 2012”, comemorando mais um ano de grandes realizações pífias em todas as áreas brasilianas. Afinal, somos brasileiros e latinos colonizados, não desistimos nunca de nossa condição servil – uma vez colonizados sempre estaremos ajoelhados a lógica da realidade.

   As notícias da mídia provinciana e seus “colonistas sociais” vão de mega engarrafamentos à mega eventos, tudo combinado com notícias importantes sobre tempo e o grande sorteio da mega-aposta da Caixa Econômica Federal . Os sonhos e desejos são elevados com a predestinação dos âncoras de jornais que fazem cálculos absurdos do tipo : “quantos jatinhos poderão ser comprados”, “quantas ilhas paradisíacas serão adquiridas” e “tantas outras fantasias típicas da idiotia compulsiva que povoa a pueril e incauta mente humana bestializada”. A tal da probabilidade estatística é algo incompreensível para os bruzundungas , afinal de contas, tudo é totalmente difícil e lindo, diria o matemático na sua equação. Não importa onde, não importa como, o futuro está chegando - um ano novo!!!

   Os bruzundungas contam ansiosamente os minutos, as horas e os últimos três dias que sepultaram o trágico e incompreensível não acontecido “fim do mundo maia”, silenciosamente a preparação das festas começa pelo passeio simbólico de abastecimento de notícias sobre como se preparar em casa para as programadas baladas da virada. Em vários pontos do “sunset”, personalidades futebolísticas , artísticas e do mundo fashion participarão da mega virada de 2012, para entrada no cabalístico ano de 2013. Uma preparação espiritual e corporal requer uma concentração de estrelas para realizar os sonhos provincianos no mundo cosmopolita dos turistas bruzundangas.

   Os rituais vão desde “paciência com o trânsito caótico”, “falta de sinal da telefonia”, “ausência de energia elétrica”, “ falta de água e saneamento”, mas somos um país abençoado por Deus e bonito por natureza.

   As nutricionistas já começaram a recitar a propalada receita energética para os descuidados bruzundangas com sua dieta da virada – muita água de coco, comidas leves, depois, tomar um porre de felicidade , de energético e de algumas “inas” potencializadoras da pulsão libidinal incontrolável.

   Nas sortidas atividades da mega virada do fim do calendário maia, não devemos esquecer o ritual sincrético dos bruzundangas brasilianos, chegar na orla (se conseguir disputar um naco da praia!!!), espocar um champã, aliás, espumante , de preferência parecendo “Veuve Clicquot”, com taças plásticas previamente adquiridas nas lojas de bugigangas de preços acessíveis (R$1,99), para depois arremessar para o alto em comemoração ao luxo e ao lixo, e, não esquecer dos “sete (não oito) pulinhos nas ondas das praias”, fazer milhares de promessas que serão lançadas para um tal de “Iemanjá”, e, esperar o espocar dos “fogos de réveillon”, pagos com tributos estaduais, municipais e federais, nos estufados cofres municipais de final de mandato. Todos os desenhos serão transformados em uma névoa de pólvora queimada que servirá para ofuscar a visão do futuro , garantindo o prazer momentâneo dos bruzundangas.

   O rito musical ficará por conta de “geejeys” estrangeiros nas suas “pick-ups” eletrônicas distribuindo muita energia e felicidade. Afinal, o lema dos bruzundangas em tempo de festança é : “cola em mim que tu brilha!!!”... No som frenético de músicas que variam do “tecno-pop” ao “tecno-brega”, em danças individuais ao estilo “bonobas e bonobos” ensandecidos, com gritos tribais , estilo “uhullllll”, “ehhhhheehehhhh” , “ahhhhohhhhh”, todos identificáveis pelos símios inferiores, como danças rudimentares e comunicação em patamar idêntico, a pergunta que fica: O que você deseja para o próximo ano? A tradicional reposta é : “muita saúde , paz e felicidadeeeeeeeeeeeeee”, está não tem preço nem condições que o cartão de crédito pode oferecer. Ah, mas por favor tira uma foto para publicar no “colonista social” de plantão. Afinal, o sucesso de um bruzundangas em veraneio é momentâneo..Flashhhhhhhhhhh...

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Um editorial

   Por Marcos Bayer
   O Diário Catarinense, jornal do Grupo de Comunicação RBS, num surto de espírito privado e atento aos ensinamentos do católico John Fitzgerald Kennedy convida seus leitores a participarem da elaboração de seu editorial de final de ano.
   Baseado na pergunta do presidente norte americano, “Não pergunte o que a América pode fazer por você, mas o que você pode fazer pela América”, a intenção de ambos, a pergunta e o editorial, é diluir a responsabilidade pela construção de uma nação.   Então eu digo, como grupo de comunicação, é preciso dar oportunidades aos novos talentos que surgem na política, nos esportes, nas artes e no jornalismo.   Como pode ter em seu principal colunista político, um empregado de tribunal público, cujo ingresso ocorreu em troca da liberdade de expressão, em 1979?
   Como podem dar voz, imagem e razão aos novos ventríloquos políticos, cuja ação e opinião são invariavelmente mentirosas?
   Como podem aceitar auxílio financeiro do governo em curso para shows de artistas internacionais e de desfiles de moda?   Como podem noticiar a inverdade de que a viagem à banca internacional em New York resultará em efetiva economia?   Como podem veicular um programa de obras de R$ 7 bilhões de reais que ainda não aconteceu?
   Como podem aceitar participar da verba anual de publicidade no valor de R$ 109 milhões, enquanto hospitais e escolas vivem na sucata?   Como podem estampar nas colunas sociais, risonhos e de copo nas mãos, parentes dos principais anunciantes? O que eles têm a dizer para a comunidade que lhes compra seus produtos?   Por que o jornal não publica opiniões dos que fazem parte da comunidade em que ele circula?   Por que o jornal não denúncia a parte podre do poder?
   A isenção tributária, garantida constitucionalmente, já não é o suficiente?
   Uma empresa de comunicação é também responsável na construção de idiotas com função social ou de pessoas capazes que organizarão, politicamente, a cidade, o estado e o país onde vivem.   Se não souberem como fazer, deem menos espaços aos ladrões, aos cínicos e aos hipócritas de plantão. Já é um bom começo...

Simples assim...


Do meu amigo Cascalho

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Uma noite de Natal

   
   Ele veio!!!! Ele veio!!!!!!

   O grito incontido de pura emoção mostrava a estréia da Luisa no mundo maravilhoso dos seres que habitam o imaginário infantil de sonhos e alegrias. A manifestação de surpresa e euforia foi tão grande que acabou contagiando todos ao seu redor. Pulava, gritava e distribuia os presentes, inclusive os seus.

   Voltávamos, a Luisa, o tio Ramiro e eu, de um curto passeio pelas redondezas de casa onde fomos na tentativa de encontrar o Papai Noel. Segundo o tio Jerônimo, o velhinho teria sido visto - com um saco cheio de presentes, é claro - ali pelas bandas da casa do Valter, nosso vizinho. 
   A rua, na verdade, é uma pequena servidão, um túnel de árvores que termina logo à frente, na casa do Dudu, a última. À noite, com a brisa que sopra do mar, as folhas das árvores se agitam projetando sombras inquietas no chão de terra batida. As sombras, o ruído de alguns pássaros retardatários e de galhos agitados pelo vento criam o clima perfeito para a busca das ilusões.  
   Luisa, olhos arregalados, caminhava devagar, receosa, tentando identificar por trás das árvores, a figura do Papai Noel e suas renas. A excitação misturada com o mistério a fez rapidamente pedir para vir no colo do "vovô". Preferia continuar a busca de uma posição, digamos, mais segura!
    Encontramos o Valter no pátio da sua casa. Perguntamos se havia visto o Papai Noel passar por ali:

- Recém saiu daqui. Disse que ia para a casa de vocês onde tinha uma menina muito bonita e boazinha, disse o Valter, lá do mundo dos sonhos.

- Xou Eu!!!!!! Disse a Luisa. Era ela a menina "bonitinha e boazinha" que o Papai Noel procurava.

   De repente um assoviu forte chamou as nossas atenções. Era o sinal! A vó Gisa, a mamãe Isadora e a dinda Ana Laura, já haviam  colocado os presentes ao pé da árvore. A história batia com o que o Valter havia falado. O "cara", do saco cheio de presentes, estava lá em casa! Havia chegado!

   O retorno foi rápido, cheio de expectativa e excitação! Era engraçado ver aquela pessoinha tão alegre, agitada e intrigada pela possibilidade de estar chegando, finalmente, no cenário de imagens e emoções que vinha contruindo na sua cabecinha desde aquela manhã quando uma grande bola azul, único pedido de presente (?), apareceu no "forno" (lareira com chaminé) da sua casa. Luisa relatou para todos que ouviu, na madrugada, um ho...ho...ho...que vinha do "forno".

   Do portão da frente avistamos a sala de casa toda iluminada e uma agitação de alegria. Pais, avós e tios falavam alto e ao mesmo tempo. As luzes da árvore piscavam e quando acendiam iluminavam uma quantidades enorme de caixas coloridas de vários tamanhos e formas. 

- Ele veio!!!!! Ele veio geeeeente!!!!!! Gritou a Luisa do centro da sala, assumindo para si a tarefa de distribuir os presentes! O sonho estava realizado! 

- Mamãe, este é seu...vovó, óia esse, tem um balulinho dentro, óia!

   A felicidade e a alegria que a Luisa nos proporcionou naquele momento também foi a materialização de um sonho que persigo. Ter a família sempre reunida, unida e forte. Compartilhar com os meus aquela alegria num momento em que estamos todos bem, nos sentindo unidos e amados uns pelos outros foi pura felicidade!

   Para mim, ontem, Ele voltou!

   Ho...ho...ho!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Reformular assistencia médica em aeroportos

   Prezado Sr. Rubim,
   Li em seu blog o publicado por Armando d`Acampora.
   Criei coragem em encaminhar meu grito e apelo por uma campanha nacional.
   Segue em abaixo o que realmente proponho. O fato aconteceu no meu retorno de Macapá onde participo de um grupo que desenvolve uma Ação Humanitaria- voluntária, corrigindo a seqüela de escalpe total ou parcial, produzido pro acidente com o eixo dos barcos que utilizam como unico meio de transporte na Amazonia.
Obrigado

Proposta de campanha nacional 

1°- Solicitar ao governo central uma revisão e reformulação dos serviços médicos nos aeroportos do Brasil

2°- Histórico
Relatório da viagem
   Após participar de um mutirão para corrigir seqüelas de pacientes escalpeladas por acidente com o eixo do motor das embarcações no estado do Amapá - nesta região não há estradas e a maior parte da mobilização da população é utilizando barcos.
   Cumprida a missão acompanhado de minha esposa Regina Pereira Oliveira d´Eça Neves
Viajamos de Macapá para São Luis do Maranhão com conexão em Belém do Pará em
vôos de 45 minutos cada trecho.
   Tudo corria normal lanchamos comidas leves e combinávamos as atividades para após
nossa chegada a Florianópolis.
   Desembarcamos no Maranhão sem qualquer queixa por parte dela.
   Junto à esteira para recolher as malas ela ficou atrás de mim apoiada no carrinho de
bagagem durante cerca de dez minutos. Chamou-me pelo nome com voz amena sem qualquer alteração sugestiva de angustia, parecendo querer mostrar alguma coisa.   Olhei para trás e ela estava caindo desacordada com intensa congestão cervico/oro/
facial. Tentamos elevar o queixo e lateralizar a cabeça o que foi impossível pela rigidez
do pescoço e da mandíbula. Este momento se prolongou por cerca de 7 a dez minutos
quando chegou o pessoal da assistência médica do aeroporto.
   Nada traziam nas mãos. Constatada a gravidade, por não ter maca, foi transportada
em cadeira de rodas com cabeça e braços pendentes através da beirada da área de 
estacionamento dos aviões. Distante cerca 300 metros havia uma sala acanhada com
uma maca onde foi acomodada. Nesta hora com manobras muito delicadas um bombeiro
não paramédico iniciou massagem cardíaca sem conseqüência para as costelas.
   Por solicitação minha instalaram oxigênio com mascara simples ao que insistimos na
necessidade do ambu. Este foi utilizado sem efeito porque não foi aplicada a devida
pressão de maneira que o ar saia pelos lados sem penetração até os pulmões.
   Também por solicitação minha foi achada uma cânula de Guedel que eu mesmo a
introduzi. Decorridos de 25 a 30 minutos de evolução, levantei a sua pálpebra e estava
instalada a medriase paralitica. Não foi instalado soro nem foi mantida veia cateterizada,
sugeri uso de atropina e queriam injetar adrenalina por ser melhor (sic).
   Sai da sala e fui telefonar para meus filhos, pois o pior estava consumado neste cenário
Dantesco.
   Aceito que talvez mesmo em ambiente adequado não houvesse condições de reverter o
quadro, mas, o que assisti e vivi me obriga reagir e fazer esta proposição.   Não tinha nenhuma ambulância equipada como as do SAMU, com seu corpo de paramédicos, acho que isto é lugar comum a todos os aeroportos, ainda que sejam
considerados de porte internacional.
   Iniciou então o segundo episódio para cumprir as obrigações legais, preparar e liberar o
corpo.

3° - Proposta

    Utilizar o poder dos nossos órgãos de classe para exigir urgente ação dos órgãos públicos
competentes para reavaliar e reorganizar os serviços de atendimento médico nos aeroportos do Brasil. 
   Órgãos da classe que devem participar em forma de comissões oficiais com poderes
delegados, compostas por membros Conselho Federal e Regionais de Medicina, Associação Médica Brasileira, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Intensivistas, Sindicato dos Médicos...etc.

  Todos têm suas extensões regionais que podem cada qual realizar em sua jurisdição o seu papel e rapidamente se pode agir e definir o mapa nacional deste serviço hoje incompetente que representa perigo para todos os que ainda estão vivos.

4°- Vistoriar e analisar as condições:

a- Arquitetura , relação da posição do ambulatório e o contesto do edifício e a facilidade de mobilização para atender todos os setores e andares;
b- Dotar de portas que reduzam o caminho quando tiver divisórias;
c- Ter carro ou mala com o equipamento completo de reanimação (material e medicamentos);
d- Carrinho tipo campo de futebol em aeroportos maiores para transportar o paciente em longa distancia;
e- Múltiplos núcleos em instalações como Galeão e Garulhos, etc
f- Aparelhagem necessária para reanimação;

5° - Reavaliar o pessoal
 
a- Contratar somente após concurso rígido;
b- Coibir o uso da política para dotação de técnicos;
c- Reciclagem do pessoal atualmente respondendo pelo setor;
d- Facilitar a comunicação entre o setor e os locais de maior aglomeração;

6°- Orientação policial
 
a -Relação publica da polícia que possa orientar as pessoas com alguma dificuldade que envolva aspectos legais;
b- Apoio policial para estranhos que nada conhecem da cidade;
c- Posto policial militar e civil com poder de encaminhar os primeiros documentos como Boletim de Ocorrência etc.,

Conclusão: 
Como médicos é dever nosso zelar pela saúde da população e é direito dela receber esta proteção dos órgãos públicos.

Rodrigo d´Eça Neves
Cirurgião Plástico (Dedica-se à cirurgia estética e recuperadora)

domingo, 23 de dezembro de 2012

Conectados/desconectados (Natal)


Por Emanuel Medeiros Vieira

“Mandei lustrar os instantes do tempo, rebrilhar as estrelas, lavar a Lua com leite e o Sol com ouro líquido. Cada ano que se inicia, começo eu a viver”
(Clarice Lispector– 1920–1977)
Será tudo apenas fugaz?
Há um presépio, um menino e sua mãe.
Um pai.
Não é preciso muito:
Eras – menino – a antítese do mercantilismo que invadiu corações e mentes.
Mas Ele esta aí – aqui, no domingo que nasce, no pássaro que canta, além das misérias tantas.
Tudo se evapora, tudo parece oblívio.
Mas não esqueçam: nasceu um menino.
E ele não precisa de espumantes, presentes caros, carrões, engenhocas eletrônicas.

Conectados na rede, mas desconectados com a vida: assim estamos?

Apenas, acumulamos, não unificamos.
Parodio Drummond; onde estás, precária síntese?
Mas não esqueçam: há um menino, um presépio, um dia recém-fundado, um esperança –
sempre.

O Deter virou uma zona

Abandono do Deter gera estacionamento grátis no Rita Maria 
   Neste sábado dia 22/12, quem procurou o Estacionamento B do Terminal Rodoviário Rita Maria, se deu bem, pois era de graça. Devido a uma pane nos computadores e a inexistência de contrato de manutenção, não restou outra alternativa aos funcionários: CANCELAS ABERTAS.
   Isto está ocorrendo porque o DETER está desde abril sem presidente e, sem presidente, a Comissão de Licitações não pode ser constituída. Sem Comissão de Licitações, não pode ser contratada a nova de empresa de manutenção dos sistemas de controle dos estacionamentos. Sem empresa de manutenção, quando alguma coisa quebra não tem como consertar.
   E vem mais por aí. Não demora muito todo o sistema informatizado do DETER, pela mesma razão, vai sair do ar. Nesse caso não poderão ser emitidas licenças de viagem especial, licenças de transporte sem objetivo comercial, fretamentos e outras coisinhas mais...
   Dinheiro público saindo pelo ralo!

Página mané bomba no Facebook

Humor, humor, humor...ácido, criativo, de bom gosto, bem ao gosto mané. Assim é Fl0r1p4 m1l gr4u página que está bombando no Facebook

Sobre
PRIMEIRA CIDADE M1L GR4U DO BRASIL! Não recomendado para moralistas! OS ERROS DE PORTUGUÊS SÃO PROPOSITAIS! 


Escola que liberta, pratica o que ensina

   Por Jaison Barreto
   

   Paulo Freire e o grande Darci Ribeiro formularam uma escola democrática ecivilizadora, tão importante para este país em formação.   Em 1985 quando as alianças eram feitas em torno de programas e não de empregos, nós ajudamos a realizar eleições em mais de mil escolas estaduais em SC e algumas dezenas de escolas municipais em Florianópolis.
   O atraso e a politicagem, não garantiram a sua continuação.
   Não é de espantar, que escolas neste Estado, sejam hoje interditadas até pela Vigilância Sanitária, e professores sejam humilhados “por toda Santa Catarina”.
   Vinte e sete anos depois (1985-2012) fez bem o deputado Gelson Merisio em propor sua efetivação, como avanço real para solução do problema educacional brasileiro estimulada inteligentemente pela RBS.
   A construção de um país não passa pela paixão, pela arrogância, pelo fanatismo, pelo messianismo ou Data Vênia pela burrice institucionalizada, pelas maiorias de balcão, por tudo isso que você deve conhecer muito bem.
   Foi uma pena não terem aprovado ainda neste ano, uma lei que envolveria professores, alunos, associação de pais, funcionários, a comunidade enfim, na formulação de uma educação libertadora para a nossa gente.

Vamos continuar insistindo.

Com votos de um feliz Natal.
Saudações democráticas.

Quando médico se mexe!

   Por Armando José d’Acampora *
   Um dia me formei em Medicina.
   Me disseram que eu devia dedicar minha vida ao bem do próximo, daquele que é menos favorecido, do pobre doente.   Fiz um juramento originário de Hipócrates, 450 anos antes de Cristo, o qual jurei cumprir, e que até hoje cumpri.   Me submeti a uma rotina de 15 plantões por mês, que é a única forma que achei de melhorar meu salário, haja vista que um engraxate do Senado Federal percebe mais que um médico em qualquer esfera pública, e que já tinha família para sustentar e nunca vi nem ouvi falar que, um supermercado ou mesmo uma escola, aceitasse receber seu pagamento em fichas verdes do SUS.   Também me disseram que os convênios eram bons e que eu deveria aderir a eles.   Grande falácia, pois as associações de todos os funcionários públicos possuem belíssimas propriedades nas praias de Florianópolis, oferecendo aos seus associados verões inesquecíveis, mas não querem pagar decentemente aos médicos, que garantem a saúde destes mesmos associados para que consigam ter os mesmos verões inesquecíveis.   Há alguns anos, lá por volta da década de 80, conseguíamos viver muito bem com o pagamento do antigo INAMPS. Havia uma remuneração que não era NET, mas era tipo NET. A nossa vida era mais confortável.   Nesta época, 80, a enfermagem trabalhava 40 horas por semana e era paga adequadamente. Hoje trabalham 30 horas, para que possam ter dois empregos e com isso sobreviver com mais dignidade.   Mas o que mais me chama a atenção é que todos os nossos funcionários que ora fazem greve, possuem um nível de vida aceitável, pois a maioria é possuidora de carros seminovos, quando não novos, e até casa de praia, uma boa parcela as possui. Tudo adquirido com o salário básico do emprego público.   De repente, essa população que vive relativamente muito bem, resolve por uma paralisação que perdurou por mais de oito semanas.   E aí eu me pergunto: fizeram algum juramento que nem o meu?
   Qual o vínculo que tem com o próximo? Gente que nem a gente, que necessita da atenção do outro para sobreviver por mais alguns meses, anos talvez.   Dai os médicos resolveram se mexer. Alguma providência haveria que ser tomada.   A saúde virou um caos e não era por culpa ou má vontade dos médicos.
   Eles estavam lá, carregando macas da emergência para os Raios X, levando os pacientes até o laboratório, se encarregando de fazer com que os necessitados chegassem até a Tomografia.   Pois bem, e daí?
   Não havia infraestrutura para atendimento, pois os técnicos de enfermagem resolveram diferente, que não trabalhariam e o Governo cruzou os braços e achou que a economia realizada durante esse período era mais importante que os pacientes que não foram atendidos. Como se esse serviço não fosse essencial.   O Ministério Público não tomou a atitude que dele se esperava, muito menos o Ministério do Trabalho.   Até que, depois de esgotada todas as possibilidades de acordo entre o Governo e os grevistas, os médicos resolvem solicitar a intervenção federal na Secretaria de Estado da Saúde, que independente do término da greve do técnicos, continuará seu caminho.   Agora, só nos resta esperar que haja alguma atitude enérgica e adequada ao caso em tela pelas autoridades competentes.   Mas os médicos se mexeram, e energicamente, em favor de uma sociedade que estava totalmente desassistida.

* Médico, Cirurgião, Professor Universitário

La Cave no Momento Temperado

O amigo Fernando Mansur visita o La Cave, entrevista Isadora Rubim para o seu "Momento Temperado", e desvenda a proposta da mais nova casa de vinhos franceses e tapas de alta gastronomia de Florianópolis.

sábado, 22 de dezembro de 2012

A China tropical

   Por Marcos Bayer

   A belíssima jogada da Assembleia Legislativa, num prazo relâmpago, dilatando o valor do auxílio moradia para seus deputados e outras classes do serviço público, expõe uma face da grande mentira nacional: a isonomia entre os que trabalham na administração pública.
   Primeiro, professores, médicos e policiais não podem valer menos do que deputados, promotores, juízes e equivalentes.
   Segundo, afora as diferenças gritantes entre classes, os negócios paralelos são feitos pelos mais bem remunerados. Na cúpula dos poderes são decididas ou autorizadas as falcatruas. Seja na construção ou reforma de suas sedes, na aquisição de mobiliário e ou materiais, nas obras públicas em geral e no abastecimento interno dos diferentes órgãos. É muita coisa para o MP cuidar e quando ele se beneficia deste tipo de regalia, a auxílio moradia, ele se iguala aos outros. Ora, o auxílio moradia, quando muito, deveria ser requerido nos casos de transferência de domicilio em razão de compromisso funcional. Aplicar-se-ia aos juízes até que fixassem residência, aos promotores e aos delegados. Uma remuneração temporária, 90 dias, enquanto o interessado encontra nova residência.
   E se o professor, médico, bombeiro ou policial for transferido de cidade, como é que fica?  Nada de auxílio?
   Existe suporte moral no argumento de quem ganha mais de 40 salários mínimos e ainda precisa de auxílio moradia?
   A nota da Associação Comercial e Industrial de Chapecó falando de dois Estados no Brasil, um que se auto alimenta e outro que trabalha para aquele. E, a manifestação da Associação Catarinense de Medicina, pedindo intervenção em Santa Catarina, mostra a que ponto nós chegamos.
   O serviço público brasileiro, mesmo com o concurso de ingresso, caminha para um mandarinato. Os baixos salários são resolvidos pela tercerização. Os mais altos pelo concurso. Depois, um pool de regalias.
   E, ainda assim, vivemos uma sucessão de fraudes. Diariamente os jornais mostram, em rede nacional, como elas acontecem. Os que ocupam cargos comissionados calam, consentem e se prostituem quando necessário à manutenção da posição ocupada. No ensaio “The diseases of the Organization” onde o caráter é comparado a uma gota d’água que suporta sua integridade por uma força chamada tensão superficial que se rompe quando a pressão atinge determinada gradação, facilmente se observa o argumento.
   Recentemente vimos o golpe da Autopista Litoral Sul, subsidiaria de um grupo espanhol, que faturou na cobrança do pedágio por mais de quatro anos e não construiu a alça viária na grande Florianópolis. Vimos também as denúncias do deputado Jailson Lima sobre o Tribunal de Contas, seu novo prédio, seus cursos, seus móveis e seus aditivos.
   E assim são formadas novas gerações, uma parte na seriedade dos concursos e outra na “marmelada” já instalada.
   A melhora virá pela fixação de uma diferença máxima entre o menor salário e o maior.
   Dez vezes por exemplo. Se o Estado pagar R$ 25 mil para uma classe, deverá pagar R$ 2,5 mil na mesma estrutura, para a outra classe. Se não couber no Orçamento, então tem que baixar os salários de cima.
   Isto aconteceria pela via legislativa, quando nossos parlamentares votassem pelos servidores em geral e não pelos do círculo fechado.
   Até lá, ainda veremos auxílio moradia, auxílio hotel, auxílio motel e auxílio Carnaval.
   A China demorou séculos, mas está conseguindo sair do mandarinato para uma organização mais flexível.

   Antes morriam sem esperanças. Agora morrem acreditando no mercado...

Embargada obra ilegal na Casa Rosa

MP entra com ação para embargar obra sem licença ambiental na capital


Promotor diz que licença para corte de árvores não foi expedida por Floram. 
Limpeza do terreno e início das obras foram embargados pela Polícia.

Foto: Luíza Fregapani/ G1 SC
    Na quarta-feira (12), a Floram e a Polícia Ambiental embargaram os trabalhos. "Foi apresentada uma licença para retirada das árvores, porém, expedida por um órgão que não é o responsável por este tipo de licença. Além disso, segundo o documento as árvores seriam transplantadas, o que também não foi feito", comenta o promotor Rui Richter.

   Sobre a casa construída no local, segundo o promotor, "a casa é tombada e nenhuma intervenção pode ser ser feita sem aprovação do IPUF, mas, aparentemente, não houve abalo nenhum na casa", comenta.

   O G1 tentou contato com construtora Becker, responsável pelo empreendimento, mas não obteve êxito.
   Para ler mais notícias do G1 Santa Catarina, clique em www.g1.globo.com/sc/santa-catarina

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Conselho Regional de Medicina pede intervenção federal na saúde de SC

Abaixo o pedido de intervenção federal em SC feito pelo CRM:

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, instituição federal de fiscalização e normatização da profissão de médico, criada pela Lei Nº 3.268, de 30/9/57, regulamentada pelo Decreto Nº 44.045, de 19/07/58, alterada pela Lei Nº 11.000, de 15/12/2004 e legislação complementar, com sede à Av. Rio Branco, 533, 2º andar, Centro, Florianópolis, Santa Catarina, neste ato representado por seu Presidente, Dr. Vicente Pacheco Oliveira, brasileiro, casado, Médico, residente e domiciliado nesta capital, vem à presença de V. Exa. requerer

INTERVENÇÃO FEDERAL EM SANTA CATARINA

pelos fatos e fundamentos jurídicos que abaixo seguem aduzidos:

É público e notório que a situação da saúde pública em Santa Catarina está rumando para o caos, caos este patrocinado pela irresponsabilidade tanto dos Gestores Públicos do Estado: Governador do Estado, Secretário Estadual da Saúde, autoridades fazendárias, etc., quanto por aqueles que estão sobrepujando o direito a vida e subordinando-o a quedas de braço de cunho político, cujo objeto pode ser resolvido em outras esferas.

O que se vê é a pura e simples barganha entre a vida e a segurança da população assistida e interesses subalternos, JAMAIS EQUIPARADOS AO DIREITO A VIDA E A HIGIDEZ SANITÁRIA DA SOCIEDADE.

O jogo que se estabeleceu atenta contra toda e qualquer forma de bom senso, contra toda regra ética, moral ou de natureza semelhante, revelando a insensibilidade dos jogadores. Restou, assim, estabelecido um impasse que está sendo custeado com o sofrimento, a integridade e a vida da população assistida.

Não se está a falar de uma situação que era satisfatória, eficaz em seus fins e eficiente em seus meios. A situação da saúde pública em Santa Catarina, devido a omissão criminosa de seus gestores era deficiente, mais não se esperava que chegasse ao ponto em que chegou. Não se imaginava que a irresponsabilidade fosse se manifestar de forma tão acintosa, traduzida numa forma mal mascarada de prevaricação.

Os relatos que esta acompanham, dão uma idéia, ainda que incompleta, da situação calamitosa que foi gerada pela incapacidade dos gestores, aliada a um jogo de interesses subalternos, redundando numa roleta russa de resultados imprevisíveis, cuja morte ou as lesões irreversíveis são o resultado desse quadro dantesco.

Simples e laconicamente, está-se descumprindo toda e qualquer regra, por mais básica que seja, garantidora dos direitos assistenciais da população. E o que é pior, esse estado de coisas está gerando a paralisia do atendimento médico pela completa falta de infraestrutura de apoio multidisciplinar, necessária ao exercício do ato médico.

Os serviços públicos de saúde estão, aos poucos, sendo paralisados, por completa impossibilidade técnica de permanecerem funcionando.

Já não é mais possível tergiversar sobre a tragédia que está se abatendo sobre a sociedade catarinense, tragédia esta anunciada, fomentada, disseminada por aqueles que, calcados na intransigência, na condescendência criminosa, na pura omissão, estão prevaricando escandalosamente de seus deveres e obrigações legais, condenando a sociedade catarinense ao convívio com o caos e com a desordem (...).

(...) Ante o exposto, considerando a argumentação supra expendida, REQUER-SE a adoção das medidas jurídicas e institucionais pertinentes para a decretação da Intervenção Federal em Santa Catarina, em face da necessidade de prover a execução de lei federal e de assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais relativos aos direitos da pessoa humana representados pelo direito à vida e a integridade física – ARTIGO 34, Incisos VI e VIII, sonegados pela irresponsabilidade dos gestores públicos que administram a saúde pública em âmbito estadual.

TERMOS EM QUE
PEDE DEFERIMENTO

Florianópolis, 18 de dezembro de 2012
DR. VICENTE PACHECO OLIVEIRA
PRESIDENTE

Leia o pedido de intervenção na íntegra no Moa. Beba na fonte.

Elite do funcionalismo vai engordar salários

   O governo afirma, o tempo todo, que não tem condições de dar aumento aos servidores da Saúde, Educação e Segurança Pública, mas quer aumentar seu subsídio, do Vice e seus Secretários.
  Tudo isso no apagar das luzes de 2012 e na surdina através do Projeto Lei nº 0388.1/2012, em tramitação na ALESC. O projeto, é claro, é de autoria do deputado Marcos Vieira, veja no site do órgão, clique aqui.
   Na verdade a pressão vem dos servidores da elite: Secretaria de Estado da Fazenda, Oficiais da Polícia Militar e Delegados da Polícia Civil, que na maioria já alcançaram o teto do Governador de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e estão com as remunerações congeladas.
   O governador Raimundo Colombo continua preso à herança maldita de 
Luiz Henrique da Silveira e, pelo jeito, continua a sua missão de só privilegiar alguns dos seus pares. Tudo é feito através do Legislativo, no caso, do deputado Marcos Vieira, que está ali para isso.
   Agora vão aumentar o subsídio do Governador e, em cascata, os servidores privilegiados vão também no mesmo barco e engordar o bolso.

Você que continua parado, vai ser atropelado!


Deputados estaduais agora querem auxílio moradia, pode??????!!!!!!!

   Enquanto o governo enfrenta uma crise sem precedentes nas áreas da Saúde, Educação e Segurança, alegando não dispor de dinheiro para melhorar as condições de vida dos funcionários públicos, os nossos parlamentares, eleitos com o voto deste mesmo miserável povo, resolvem aumentar seus "trocados" com um expediente para lá de sem vergonha: o AUXÍLIO MORADIA!!!!!!

   Estão criando por meio do Projeto Lei nº 0391.7/2012, o imoral AUXÍLIO MORADIA, isso mesmo. Olhe no site da ALESC. Clique aqui
.
   Tudo isso no afogadilho e no apagar das luzes como sempre fizeram em matérias que privilegiam apenas a alguns. Por exemplo no caso de concessões de diversas Gratificações ao Pessoal da Fazenda.   Estão fazendo isso alegando simetria com Desembargadores, Juízes, Promotores, Procuradores de Justiça, Conselheiros do Tribunal de Contas e Procuradores do Ministério Público de Contas. Vão ganhar próximo de R$ 4.000,00 líquido (sem tributação), como verba indenizatória.   Sim, todos esses citados recebem o benefício e também todos tem seus imóveis próprios em Florianópolis, não precisando da benesse que é para engordar apenas o seu bolso, pagar a escola particular para o filho, o melhor plano de saúde para não usar o SUS e ter a segurança privada.

   Uma vergonha! Uma imoralidade sem tamanho! Quem vai fazer algo contra isso?

   Ninguém pois até os membros do Ministério Público Estadual, que poderiam fazer algo, ganham o privilegiado presente e não tem interesse algum de cessar o enche bolso.

Leitor preocupado com concorrência dos táxis

    Ilustríssimo Senhor Secretário de Transportes, Mobilidade e Terminais,   Cumprimentando-o cordialmente e, de forma objetiva, suscito esclarecimento sobre a CONCORRÊNCIA PÚBLICA SMTMT Nº 001/2010 (Serviços de Táxi), no sentido da prorrogação da validade do referido certame. Isto porque, em seu item 19.2 o Edital prevê:
   "A presente Concorrência Pública terá validade de 02 (dois) anos, a contar da data de homologação do resultado final de classificação, podendo ser prorrogada uma única vez, por igual período, a critério do Órgão Gestor." A homologação do resultado final se deu em 22/12/2010, conforme se depreende da publicação contida no site da FEPESE, responsável pela execução da concorrência pública

(http://taxipmf.fepese.ufsc.br/?=home&mn=106a6c241b8797f52e1e77317b96a201).
    

   Assim, restando pouco mais de um mês para o encerramento do referido edital, e, considerando a possibilidade de prorrogação deste por mais dois anos, atrelado ainda ao fato de existirem outros classificados para desenvolverem as atividades de taxista em Florianópolis, além da circunstância de que tal medida visa economia de recursos públicos caso se faça necessária a elaboração de uma nova concorrência para prestação deste serviço, bem como a notória e pública ciência da população sobre o déficit de táxis nesta capital, questiono:

A concorrência pública em questão será prorrogada por mais dois anos?

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

FATMA embarga obra que atingia caverna

    Por requerimento do Ministério Público de Santa Catarina, a Fundação do Meio Ambiente (FATMA) fiscalizou a construção de um loteamento no Bairro Saco Grande, em Florianópolis, e constatou que as obras colocavam em risco uma área de preservação permanente. Com a constatação, a obra foi embargada.   A fiscalização atendeu à solicitação do Promotor de Justiça Rui Arno Richter, com atuação na área do meio ambiente na comarca da Capital. Richter explica que, após representação da ONG Espeleo Grupo Teju Jagua instaurou inquérito civil para apurar dano de risco à área de APP, formada por entorno de nascente, curso de água e ao patrimônio espeleológico (caverna), localizado, no loteamento Jardim Recanto da Ilha.
    A FATMA verificou, então, que as obras do loteamento estavam sendo realizadas a apenas 4,5 metros do curso d'água e a apenas 9 metros da entrada do Sistema de Cavernas da Água Corrente, enquanto que as distâncias mínimas permitidas por lei são, respectivamente, 30 e 250 metros. Foi constatado, ainda, que a obra não possuía licença ambiental.
    Segundo o Promotor de Justiça, foi requisitada ao Instituto Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade (ICMBio) a elaboração de Parecer Técnico apontando as irregularidades eventualmente existentes no local, bem como informar quais as providências que foram ou que serão adotadas em defesa do patrimônio espeleológico.
    O objetivo é a instrução do inquérito civil para apurar os danos e as responsabilidades. Após, será avaliada a eventual proposição de ação civil pública para buscar o embargo definitivo da obra, a recuperação da área de preservação permanete e a indenização da sociedade pelos possíveis danos ambientais causados.
    De acordo com a Sociedade Brasileira de Espeleologia, o Sistema de Cavernas da Água Corrente possui mais de 420 metros entre condutos e galerias, mas não foi sequer totalmente explorado. A caverna ameaçada é considerada a segunda maior caverna do estado de Santa Catarina e é a segunda maior caverna em granito registrada no país. Em Santa Catarina há 28 cavernas e grutas registradas, localizadas nos municípios de Florianópolis, Botuverá, Lages, São Joaquim, Penha, Vidal Ramos Sombrio.

Comunicação Social do MPSC comso@mp.sc.gov.br

Procuradora pede indiciamento de Dário Berger

  Parece que quanto mais perto do final de seu governo mais denúncias de "mal feitos" aparecem na justiça contra o prefeito Dário Berger. A mais recente é de autoria da procurador Vera Lúcia Ferreira Copetti, que pediu ao Tribunal de Justiça o indiciamento do prefeito por crime de responsabilidade, mais precisamente no inciso II do artigo 1º do Decreto-Lei 201/67.

   O referido artigo diz que é crime de responsabilidade “utilizar-se, indevidamente, em proveito próprio ou alheio, de bens, rendas ou serviços públicos”. O indiciamento foi no TJ porque como prefeito Dário desfruta de foro privilegiado, aliás, o que vai acabar daqui a duas semanas..

Justiça confirma decisão sobre IPTU da Capital

   Em decisão publicada nesta terça-feira, o juiz Hélio do Valle Pereira confirmou a decisão liminar que impede a prefeitura de Florianópolis de utilizar os recursos arrecadados com o pagamento antecipado do IPTU 2013.   Na avaliação do magistrado, “em princípio (a antecipação da receita 2013) seria algo legítimo, mas esconde – ante a inocência que aparenta – algo grave”.
   Em sua sentença, Helio do Valle Pereira registra que a antecipação de receita autorizada pela lei municipal 397/2010 fere o inciso I do artigo 37 da Lei de Responsabilidade Fiscal, “lei nacional que tem caráter cogente para todas as esferas de poder”.
   A decisão atende pedido em ação popular proposta pelos advogados do grupo de transição do prefeito eleito Cesar Souza Júnior. O futuro secretário de Administração e Previdência, Gustavo Miroski, destaca que, assim que tomar posse, o futuro prefeito vai prorrogar o pagamento do IPTU em cota única com desconto de 20% para março, com vencimento dia 6.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

STF tira mandato de deputados mensaleiros

Da revista Veja

   Por cinco votos a quatro, o Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu nesta segunda-feira que os deputados federais condenados no escândalo político do mensalão não poderão exercer seus mandatos na Câmara após o trânsito em julgado da ação penal. O veredicto afeta diretamente os deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP), João Paulo Cunha (PT-SP) ePedro Henry (PP-MT) e fecha as portas para o ex-presidente do PT José Genoino, que tinha o apoio da legenda para retornar ao Congresso Nacional como suplente.

   De acordo com o decano do STF, Celso de Mello, único a votar sobre o tema na 54ª sessão plenária do mensalão, no caso dos deputados mensaleiros, a perda do mandato parlamentar pode ser decretada pelo Poder Judiciário quando as condenações tiverem ocorrido, por exemplo, por crimes contra a administração pública. “A perda do mandato é uma consequência direta e imediata da suspensão dos direitos políticos causada pela condenação criminal transitada em julgado. Nesse caso, a Casa legislativa procederá meramente declarando esse fato extintivo já reconhecido”, disse ele. Os ministros Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello já tinham votado como o decano.

Constituição - Hímen complacente?

   Por Jaison Barreto   

   Os deuses foram bondosos poupando o grande Ulisses Guimarães, de assistir esse espetáculo constrangedor dos dias de hoje.   “Médicos-legistas do Direito” afirmam para espanto de todos, que a Constituição Cidadã tem “ hímen complacente”.
   Assim, parlamentares condenados pelo Supremo Tribunal Federal a dez, doze, quatorze anos de prisão em regime fechado poderão sim desfilar com suas “tornozeleiras eletrônicas” pelos salões da Câmara, do Senado e das Assembleias Legislativas, provavelmente dando aulas ou legislando sobre “ formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, peculato, improbidade administrativa etc etc etc...
   Não bastasse esse teatro de horrores, onde alguns “mortos vivos” assombram impunes o país ha já trinta quarenta anos, os corredores daquelas casas com esta nova “perícia” contarão com uma nova e estranha leva de atores.   Essa virgem catarinense, futura capa da Playboy por ter leiloado sua virgindade, deve ter se inspirado nestes exemplos das elites brasileiras. 
   Ulisses Guimarães deve estar chorando ao ver sua ” jovem e formosa Constituição Cidadã” sendo desmoralizada neste Brasil cada vez mais exótico. 

Saudações democráticas,

Mulher ameaçada com revólver por tripulantes de carro do Judiciário

Do blog Critica Laguna  

 "Gostaria que tu fizesse uma matéria sobre o abuso de autoridade. Este fato aconteceu ontem comigo enquanto estava indo pra casa, os autores não gostaram de eu ter ultrapassado e ficado na frente deles (autores pois eram dois homens no carro) e acabaram me ameaçando com uma arma, bati foto enquanto eu estava atrás deles no momento que eles já tinham ultrapassado de novo e ficavam freiando e fazendo com que eu batesse atrás, no momento que eles mostraram a arma que ficaram lado a lado comigo enquanto eu estacionava na frente de casa foi que eu pude ver que na porta estava um adesivo escrito Poder Judiciário. Lamentável, quer dizer que todos que ultrapassarem eles e eles não gostarem eles vão mostrar que tem uma arma????? Queria que esse caso se tornasse conhecido pelas autoridades através do blog, os homens não são de Laguna pelo que foi investigado até ontem e nem passaram pelo fórum pelo o que a polícia disse, com o horário que aconteceu quem sabe é possível descobrir quem são esses BANDIDOS do poder judiciário, o que já vai ser investigado também por um amigo da polícia".
Anexo o boletim de ocorrência e a foto do veículo.



Começa destruição de imóvel tombado no centro de Florianópolis

Mesmo com denúncia deste blog, de que a prefeitura aprovou ilegalmente, em apenas 17 dias, a construção de prédio comercial com mais de 20 mil m² em imóvel tombado no centro de Florianópolis, nada aconteceu e a construtora já iniciou a "limpeza" do local. A cidade assiste estupefata a ação criminosa que se valendo, apenas, de uma autorização fajuta do prefeito Dário Berger, sem nenhuma licença dos órgãos ambientais, começa a cortar árvores e a modificar a geografia do local


Governador denuncia fraude em contrato da Casvig com Secretaria da Educação

O prefeito Dário Berger não se contentou apenas em transformar a prefeitura de Florianópolis em um grande balcão de negócios. Com a empresa Casvig, de sua família, vem achacando os cofres do estado de Santa Catarina, através de um suspeito contrato de vigilância nas escolas catarinenses

   Em seu discurso aos gerentes regionais das famigeradas SDR - criadas por Luiz Henrique da Silveira - na última sexta-feira, em Lages, o governador Raimundo Colombo denunciou o que pode vir a ser mais um grande escândalo perpetrado pela família Berger contra os cofres públicos catarinenses.

   "Se por um lado acumulamos recursos importantes para investimentos, a gente tem muitas dificuldades, todos os estados terão, no operacional. (...) Quando você tem um ACT a mais do que precisa, e isso nós temos que corrigir (sic). Vou confessar para vocês, mas isso aconteceu bem pouco aqui na região, quando a gente atestava que tinha 30 câmeras funcionando, muitas vezes tinha apenas seis e a gente pagava pelas 30. Não está certo isso, e nós conseguimos cortar isso"(sic). (Correio Lageano)

   Cortou? e daí governador? E o que foi roubado neste tempo, Dr. Raimundo? Só cortar não adianta nada. Tem é que apurar e fazer os ladrões "vomitá de vorta" como diria o tio Bruda!

   Os escandalosos números levantados por Raimundo no seu discurso em Lages, vem de um levantamento por amostragem feita por órgãos do governo. A auditoria no contrato nº 093/2009 de "serviços de vigilância eletrônica para as unidades escolares e administrativas da Secretaria de Estado da Educação" entre a Casvig e a Secretaria de Educação mostra anomalias e irregularidades que acabaram trazendo profundos prejuízos aos cofres públicos de Santa Catarina.



   A gênese da roubalheira 

   Como todo o escândalo dos últimos tempos em Santa Catarina, este não foge à regra: faz parte da herança maldita dos 8 anos do governo Luiz Henrique da Silveira. Disparado o recordista em escândalos na história dos governadores catarinense, Luiz Henrique não mediu esforços quando se tratava de cooptar, para as hostes do PMDB, elementos que viessem favorecer seus planos políticos e administrativos altamente suspeitos.

   A mídia catarinenses, na época, constantemente publicava denúncias e os métodos pouco ortodoxos de atuação do governador Luiz Henrique da Silveira, que não medindo conseqüências, atropela a ética e a moral, cooptando com verbas ou cargos, parlamentares para construir maioria parlamentar junto à Assembléia Legislativa do Estado, ou viabilizando candidaturas a prefeituras de correligionários seus.

   Este não é um caso diferente. As “negociações” para mudança de partido, dos irmãos Dário Berger ex-Prefeito de São José e Djalma Berger, Deputado Estadual, ambos eleitos pelo PFL, e que se filiaram ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) - da base de apoio do Governo na Assembléia - coincidem com o encaminhamento da Exposição de Motivos nº 218/03, de 09 de setembro de 2003, do Secretário de Estado da Educação, JACÓ ANDERLE (PSDB), ao Governador do Estado, dando o start às ações que viriam a desembocar na Concorrência (dirigida) nº 105/2003. 

   Aliás, necessário um parêntesis nesse ponto. A citada Exposição de Motivos nº 218/03, do Secretário da Educação, tem como destinatário o Sr. Governador do Estado de Santa Catarina, mas na verdade foi encaminhada diretamente ao Secretário da Administração MARCOS VIEIRA, que em 23 de setembro, em plena efervescência das “negociações” para troca de partido dos irmãos Berger, encaminhou a EM nº 672/03, da Secretaria de Administração, ao Sr. Governador em exercício EDUARDO PINHO MOREIRA, no seguinte teor: 


“Submetemos à elevada deliberação de Vossa Excelência a Exposição de Motivos n° 218/03 da Secretaria da Educação e Inovação, cujo objeto é a solicitação para contratação de serviços de vigilância para as unidades escolares e unidades administrativas da estrutura daquela Pasta”. 


   Compra dos Berger custou mais de R$ 27 milhões anuais aos cofres catarinenses


   A equação é clara: Luiz Henrique, na sua sanha de fazer negócios com dinheiro público, para obter votos na Assembléia, autorizou a contratação da Empresa CASVIG, de propriedade dos irmãos Berger, desde que os mesmo se transferissem de armas e bagagens para o PSDB, partido que tem como dirigentes no Diretório Estadual, ninguém menos do que os senhores MARCOS VIEIRA (Secretário Geral) e JACÓ ANDERLE (membro do Diretório Estadual), respectivamente Secretário de Estado da Administração e Secretário de Estado da Educação e Inovação, por uma feliz coincidência, OPERADORES DO PROCESSO LICITATÓRIO que culminou na assinatura do contrato no expressivo valor de R$ 27.538.957,00 (vinte e sete milhões, quinhentos e trinta e oito mil e novecentos e cinqüenta e sete reais). 
   
   Se até aqui ainda paira o mínimo de dúvida com relação a lisura da Concorrência 105/2003, coordenada pela Secretaria de Estado da Administração, essa dúvida se dissipará com a leitura do anúncio publicado nos jornais O Estado e Diário Catarinense, respectivamente dias 12/12/2003 e 14/12/2003, intitulado Oração a São José com o seguinte texto: 


   Da leitura do anúncio publicado, percebe-se que a data 12/12/03 significava a data do julgamento da Concorrência, primeira oração GISVAC, sexta feira 01/05/2003, significa o número da Concorrência que é 105/2003. Além disso, fazendo-se a leitura de traz para frente tem-se o nome da vencedora CASVIG, e o nome da segunda oração ILACRO, também se lendo de traz para frente tem-se o nome da segunda colocada, empresa ORCALI.

   
Contrato com a Casvig é ilegal 
   Mesmo que todo o processo licitatório nº 105/2003, estivesse dentro dos ditames da legalidade e da moralidade, estaria a empresa CASVIG – CATARINENSE DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA LTDA., impedida de firmar o contrato com o Governo do Estado de Santa Catarina, via Secretaria de Administração do Estado, pelo simples motivo de ser seu sócio DJALMA VANDO BERGER, - detentor de 50% (cinqüenta por cento) do capital social da Empresa (cópia da certidão da Junta Comercial do Estado) - Deputado Estadual pela legenda do Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB, diplomado em 18 de dezembro de 2002 e empossado em 01 de janeiro de 2003.

  

Uma fábula alcoólica

   Por Célio Pezza

   Era uma vez, um país que disse ter conquistado a independência energética com o uso do álcool feito a partir da cana de açúcar.
   Seu presidente falou ao mundo todo sobre a sua conquista e foi muito aplaudido por todos. Na época, este país lendário começou a exportar álcool até para outros países mais desenvolvidos.
   Alguns anos se passaram e este mesmo país assombrou novamente o mundo quando anunciou que tinha tanto petróleo que seria um dos maiores produtores do mundo e seu futuro como exportador estava garantido.
   A cada discurso de seu presidente, os aplausos eram tantos que confundiram a capacidade de pensar de seu povo. O tempo foi passando e o mundo colocou algumas barreiras para evitar que o grande produtor invadisse seu mercado. Ao mesmo tempo adotaram uma política de comprar as usinas do lendário país, para serem os donos do negócio.
   Em 2011, o fabuloso país grande produtor de combustíveis, apesar dos alardes publicitários e dos discursos inflamados de seus governantes, começou a importar álcool e gasolina.
   Primeiro começou com o álcool, e já importou mais de 400 milhões de litros e deve trazer de fora neste ano 2012 um recorde de 1,5 bilhão de litros, segundo o presidente de sua maior empresa do setor, chamada Petrobras Bio-combustíveis.
    Como o álcool do exterior é inferior, um órgão chamado ANP (Agência Nacional do Petróleo) mudou a especificação do álcool, aumentando de 0,4% para 1,0% a quantidade da água, para permitir a importação. Ao mesmo tempo, este país exporta o álcool de boa qualidade a um preço mais baixo, para honrar contratos firmados.
   Como o álcool começou a ser matéria rara, foi mudada a quantidade de álcool adicionada à gasolina, de 25% para 20%, o que fez com que a grande empresa produtora de gasolina deste país precisasse importar gasolina, para não faltar no mercado interno. Da mesma forma, ela exporta gasolina mais barata e compra mais cara, por força de contratos.
   A fábula conta ainda que grandes empresas estrangeiras, como a BP (British Petroleum), compraram no último ano várias grandes usinas produtoras de álcool neste país imaginário, como a Companhia Nacional de Álcool e Açúcar, e já são donas de 25% do setor. (SHELL-COSAN)
   A verdade é que hoje este país exótico exporta o álcool e a gasolina a preços mais baixos um produto com 0,4% de água, importa a preços mais altos um produto inferior (1% de água), e seu povo paga por estes produtos um dos mais altos preços do mundo.
   Infelizmente esta fábula é real e o país onde estas coisas irreais acontecem chama-se Brasil cujo ex presidente, além de ladrão, ainda é pinguço.

CÉLIO PEZZA é escritor ( http://celiopezza.com/wordpress/2011/10/02/cronica-86-a-fabula-do-pais-do-alcool-e-da-gasolina/)

O Bem do Mar

Por Milton Ostetto
O pescador tem dois amor
Um bem na terra, um bem no mar
O bem de terra é aquela que fica
Na beira da praia quando a gente sai
O bem de terra é aquela que chora
Mas faz que não chora quando a gente sai
O bem do mar é o mar, é o mar
Que carrega com a gente
Pra gente pescar
(Dorival Caymmi)